sicnot

Perfil

Mundo

Quatro detidos em França numa operação de combate ao terrorismo

Quatro pessoas, incluindo uma adolescente de 16 anos, foram hoje detidas numa operação policial de combate ao terrorismo, na zona de Montpellier, no sul de França. As autoridades suspeitam que este grupo se preparava para organizar um atentado.

Última atualização às 12:06

"Os quatro suspeitos, com 16, 20, 26 e 33 anos de idade, foram detidos após terem realizado uma compra de acetona", que poderia vir a servir para fabricar um engenho explosivo, explicou uma fonte da polícia, citada pela agência France Presse.

Durante a operação também foi desmantelado um laboratório onde se produziam explosivos, idênticos aos usados no ataque de 2015 em Paris e no de Bruxelas, um ano depois.

À exceção da jovem de 16 anos, os restantes suspeitos são do sexo masculino.

De acordo com o Le Figaro, foram encontrados explosivos e outros materias para fabrico de bombas na casa do jovem de 20 anos, namorado da rapariga que também foi detida.

O jornal francês adianta também que era do conhecimento público que ambos se tinham convertido ao islamismo. Ambos estariam já sinalizados pelas autoridades.

A polícia francesa suspeita que o grupo poderia estar a organizar um atentado e que o alvo provável seria um local turístico.

Nice, também no sul do país, foi alvo a 14 de julho do ano passado de um ataque terrorista que causou mais de 80 mortos. Um camião avançou sobre as pessoas que estavam na Promenade des Anglais (Passeio dos Ingleses) a assistir ao fogo-de-artifício para celebrar o Dia de França.

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32