sicnot

Perfil

Mundo

Investigadores confirmam parte do dossier sobre relações Trump-Rússia

© Joshua Roberts / Reuters

Investigadores dos EUA confirmaram pela primeira vez alguma informação constante do 'dossier' compilado por um ex-espião britânico sobre Donald Trump, disseram à CNN vários membros dos serviços de informações, bem como atuais e antigos agentes policiais.

O documento, com 35 páginas, contém alegadamente informação, não confirmada, sobre uma coordenação estreita entre o círculo próximo de Trump e os dirigentes russos e práticas sexuais de Trump.

A cadeira televisiva por cabo norte-americana está a noticiar que estas confirmações, baseadas em comunicações intercetadas, "deram aos serviços de informações e às agências policiais 'maior confiança' na credibilidade de alguns aspetos do 'dossier'".

A CNN adiantou que nenhuma da informação agora confirmada se relaciona com os aspetos sexuais.

Em 11 de janeiro, a CNN noticiou que os chefes dos serviços de Informações apresentaram ao Presidente norte-americano cessante, Barack Obama, e ao eleito, Donald Trump, material alegadamente comprometedor para o último, que estaria na posse do Governo russo.

Este material, sintetizado em duas páginas, foi apresentado a Trump durante uma reunião que juntou o diretor das Informações Nacionais (DNI, na sigla em inglês), James Clapper, da polícia federal (FBI), James Comey, e das agências Central de Informações (CIA), John Brennan, e da Segurança Nacional (NSA), Mike Rogers.

Pelo menos, parte da informação apurada foi obtida por um ex-agente do serviço de informações britânico MI6, que esteve colocado em Moscovo na década de 1990 e agora tem uma empresa, adiantou então a televisão de Atlanta. As suas investigações começaram por ser financiadas por apoiantes de opositores de Trump durante as primárias republicanas.

Christopher Steele, assim se chama o ex-espião britânico, com 52 anos, é visto como um operacional respeitado que não ajeita produtos para satisfazer clientes, segundo diplomatas e analistas das informações que o conhecem.

Na altura, Trump reagiu, em mensagem distribuída na rede social Twitter, criticando as "alegações falsas" e atribuindo a compilação aos seus adversários políticos e a um "espião falhado com medo de ser processado".

Por outro lado, em Moscovo, um porta-voz do presidente Vladimir Putin disse que o alegado autor do dossier com informação comprometedora sobre Trump "é desconhecido no Kremlin".

O seu porta-voz, Dmitry Peskov, também reiterou que as alegações eram falsas.

Lusa

  • Donald Trump é uma ameaça tão séria como a Rússia, China e o radicalismo islâmico
    2:20

    Mundo

    O presidente do Conselho Europeu diz que Donald Trump é uma ameaça tão séria como a Rússia, a China e o radicalismo islâmico. O aviso de Donald Tusk foi feito numa carta escrita aos líderes europeus não a enviando para Londres -, a três dias da cimeira de Malta, onde vai ser discutida a saída britânica da União Europeia. Tusk defende ainda que a desintegração da UE só levaria a que os países ficassem dependentes das superpotências.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

  • Russos acreditam numa era de melhores relações com os EUA
    2:04

    Mundo

    A tomada de posse de Donald Trump está a ser seguida com particular atenção na Rússia. Dentro e fora dos círculos políticos, os russos acreditam numa era de melhores relações com os Estados Unidos da América. Sergey Mironov, do Partido Rússia Justa, e Vladimir Zhirinovsky, do Partido Democrata Liberal, acreditam na paz e que a Rússia e os EUA vão encontrar uma linguagem comum para o bem da Terra.

  • Trump admite levantar sanções à Rússia
    0:58

    Mundo

    Donald Trump admite levantar as sanções à Rússia impostas por Barack Obama. Em dezembro passado, os Estados Unidos decidiram expulsar 35 diplomatas russos do país. Agora, em entrevista ao The Wall Street Journal, o presidente eleito fala já na possibilidade de voltar atrás.

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),

  • "A maioria das pessoas que criticou André Ventura nunca viveu esses problemas"
    3:43

    Opinião

    A polémica em torno das declarações do candidato do PSD à Câmara de Loures, André Ventura, sobre o modo de vida da etnia cigana no concelho, esteve em análise no Jornal da Noite desta segunda-feira. Miguel Sousa Tavares defende que "os problemas existem mas não podem ser generalizados". O comentador SIC considera, ainda assim, que André Ventura tem razão quando diz que "a maioria das pessoas que o criticou nunca viveu esses problemas".

    Miguel Sousa Tavares