sicnot

Perfil

Mundo

Jornalistas que recolhiam informação sobre obras Odebrecht detidos na Venezuela

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Quatro pessoas, incluindo jornalistas, foram este sábado detidas pelo Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin, serviços secretos venezuelanos) no estado de Zúlia, no oeste da Venezuela, quando recolhiam informações sobre obras em execução pela empresa brasileira Odebrecht.

Segundo a organização não governamental Transparência Venezuelana, as detenções ocorreram pelas 12:00 locais de hoje (16:30 horas em Lisboa) e foram detidos o coordenador daquela organização em Zúlia, Jesus Urbina, a sua assistente e jornalista Maria Jose Tua e os brasileiros Leandro Stoliar (jornalista) e Gilson Sousa de Oliveira (operador de câmara).

Ambos os jornalistas brasileiros trabalham para a estação de televisão Record, que já solicitou apoio ao Governo brasileiro e à embaixada brasileira em Caracas.

"Encontravam-se a recolher informação nas instalações da segunda ponte sobre o lago de Maracaibo ou Puente Nigale, localizada em Maracaibo (cidade), estado de Zúlia, obra que é executada pela empresa brasileira Odebrecht e é responsabilidade do Ministério de Transportes Terrestres e Obras Públicas [da Venezuela] ", explica um comunicado da ONG.

Segundo a Transparência Venezuela, os quatro "foram detidos por uma comissão do Sebin que os escoltou até à sede" dos serviços secretos, em Maracaibo, e à chegada "tiraram-lhes os telefones celulares".

"A Transparência Venezuela exige a libertação imediata dos ativistas e jornalistas detidos, e condena esta detenção arbitrária de parte do Sebin", explica o documento, a que a agência Lusa teve acesso.

A ONG faz "um apelo à Defensoria do Povo [espécie de procuradoria popular] , para que se apresente no lugar da detenção e garanta o direito ao trabalho e à livre informação".

Diversas fontes dão conta de que a detenção teve lugar no momento em que os jornalistas paravam a viatura para fazer algumas fotos e vídeos ao viaduto, cuja construção foi encomendada à Odebrecht.

A obra "tem um atraso de sete anos", segundo as fontes.

A construção do viaduto foi anunciada no ano de 2005, pelo falecido Presidente da Venezuela, Hugo Chávez, prevendo-se então que fosse inaugurada em 2010.

Em janeiro, o Ministério Público venezuelano anunciou a abertura de uma investigação para determinar se funcionários do Governo de Caracas receberam subornos da empresa construtora brasileira.

Lusa

  • Três irmãos resgatados dos escombros em Itália
    1:24
  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • Graça Fonseca, a primeira governante a assumir-se homossexual
    1:02

    País

    A secretária de Estado da Modernização Administrativa deu uma entrevista ao Diário de Notícias onde assume a sua homossexualidade. É a primeira vez que um governante português o faz. Graça Fonseca assume esta posição pública como uma "afirmação política".

  • Governo quer entregar OE 2018 a 13 de outubro
    1:33
  • Casa Branca isolada devido a pacote suspeito

    Mundo

    A Casa Branca foi esta terça-feira isolada devido à presença de um pacote suspeito junto a uma das vedações que limitam o edifício governamental norte-americano. A situação já foi normalizada e o objeto retirado do local.