sicnot

Perfil

Mundo

Juncker diz que não se recandidata a presidente da Comissão Europeia em 2019

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, anunciou este sábado em entrevista a uma rádio alemã que não vai candidatar-se a um segundo mandato em 2019.

Em 2014, "foi uma boa campanha eleitoral, mas não haverá segunda, dado que não me vou candidatar de novo", disse Juncker à Deutschlandfunk.

O antigo primeiro-ministro luxemburguês, de 62 anos, tornou-se presidente da Comissão Europeia em novembro de 2014, depois de ter presidido ao Eurogrupo, que reúne os ministros das Finanças da zona euro.

Juncker, que sucedeu a Durão Barroso, está a cumprir um mandato de cinco anos, e poderia candidatar-se mais uma vez.
Estas declarações foram divulgadas antecipadamente, mas a entrevista na íntegra só será difundida no domingo e Juncker faz um retrato sombrio da Europa.

"Será que chegou o momento em que a Europa dos 27 deve mostrar unidade, coesão e coerência?", questionou. "Sim, digo sim quer se trate do 'Brexit' ou de Trump (...) Mas tenho algumas dúvidas justificadas que isso venha realmente a acontecer", respondeu, em alusão à saída britânica da União Europeia e ao novo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Para Juncker, a União Europeia evolui em direções diferentes segundo os países e é difícil conciliar essas direções.
"Os húngaros e os polacos querem exatamente o mesmo que os alemães ou os franceses? Tenho grandes dúvidas", acrescentou.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.