sicnot

Perfil

Mundo

Juncker diz que não se recandidata a presidente da Comissão Europeia em 2019

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, anunciou este sábado em entrevista a uma rádio alemã que não vai candidatar-se a um segundo mandato em 2019.

Em 2014, "foi uma boa campanha eleitoral, mas não haverá segunda, dado que não me vou candidatar de novo", disse Juncker à Deutschlandfunk.

O antigo primeiro-ministro luxemburguês, de 62 anos, tornou-se presidente da Comissão Europeia em novembro de 2014, depois de ter presidido ao Eurogrupo, que reúne os ministros das Finanças da zona euro.

Juncker, que sucedeu a Durão Barroso, está a cumprir um mandato de cinco anos, e poderia candidatar-se mais uma vez.
Estas declarações foram divulgadas antecipadamente, mas a entrevista na íntegra só será difundida no domingo e Juncker faz um retrato sombrio da Europa.

"Será que chegou o momento em que a Europa dos 27 deve mostrar unidade, coesão e coerência?", questionou. "Sim, digo sim quer se trate do 'Brexit' ou de Trump (...) Mas tenho algumas dúvidas justificadas que isso venha realmente a acontecer", respondeu, em alusão à saída britânica da União Europeia e ao novo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Para Juncker, a União Europeia evolui em direções diferentes segundo os países e é difícil conciliar essas direções.
"Os húngaros e os polacos querem exatamente o mesmo que os alemães ou os franceses? Tenho grandes dúvidas", acrescentou.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.