sicnot

Perfil

Mundo

Chile agradece a bombeiros da UE que colaboraram no combate aos incêndios

O Governo do Chile ofereceu este domingo uma cerimónia de reconhecimento aos bombeiros dos países da União Europeia, incluindo Portugal, que colaboraram no combate aos devastadores incêndios, que assolaram várias regiões do país nas últimas semanas.

"Obrigado pela entrega. O espírito demonstrado deu-nos força", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros chileno, Heraldo Munoz, durante a cerimónia de despedida de 180 bombeiros de Espanha, França e Portugal, que regressam hoje aos seus países.

Portugal enviou, a 27 de janeiro, 52 elementos da Força Especial de Bombeiros da Proteção Civil para o Chile.

Em julho de 2006, cinco sapadores chilenos morreram em Portugal durante o combate a um incêndio no distrito da Guarda.

Os 52 bombeiros portugueses são recebidos na segunda-feira pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Também colaboraram na luta contra as chamas bombeiros do Panamá, Brasil, Argentina, Colômbia, Perú, México, Venezuela e Japão.

Nas últimas semanas várias regiões do Chile foram cenário de uma onda sem precedentes de incêndios florestais, que causaram a morte a 11 pessoas, deixaram mais de sete mil desalojadas e destruíram mais de 1.600 casas no centro e sul do país.

Desde 01 de julho de 2016, segundo números oficiais, registaram-se no Chile 3.393 incêndios florestais, com uma superfície afetadas de 597.039 hectares.

Atualmente, os focos de incêndio diminuíram e hoje, segundo as autoridades, existiam 44 fogos, 41 dos quais estavam controlados e três em fase de combate.


Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32