sicnot

Perfil

Mundo

EUA e Japão exigem a Pyongyang que pare com provocações após ensaio de míssil

Kim Jong-un, líder da Coreia do Norte

© KCNA KCNA / Reuters

O Presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, reagiram ao ensaio de míssil realizado hoje pela Coreia do Norte, exigindo que pare com as provocações e garantindo que Washington e Tóquio estão juntos "a 100%".

Os Estados Unidos "estão a 100%" com o seu aliado nipónico, afirmou Donald Trump, numa conferência conjunta, depois de a Coreia do Norte ter lançado um míssil em direção do mar do Japão, o primeiro desde que o republicano assumiu o poder a 20 de janeiro.

"O lançamento norte-coreano de um míssil é totalmente intolerável", afirmou, por seu turno, o primeiro-ministro japonês, que termina hoje a sua visita oficial aos Estados Unidos.Shinzo Abe instou o regime de Pyongyang a cumprir as resoluções do Conselho de Segurança da ONU que proíbem o desenvolvimento nuclear militar e limitam a tecnologia de mísseis.

A aparição conjunta no 'resort' de Mar-a-Lago (Florida), propriedade de Donald Trump, teve lugar depois de um jantar entre os dois líderes, que tentaram por via desta visita estabelecer uma relação pessoal mais próxima.

Na breve aparição, Trump e Abe limitaram-se a garantir que estão "100%" juntos contra as provocações do regime de Kim Jong-un, sem especificar se irão procurar novas sanções internacionais ou unilaterais contra Pyongyang.

Horas antes, o Pentágono indicou que estar a analisar as caraterísticas do lançamento. Apesar de esperar ter mais detalhes em breve foi levantada a possibilidade de ter-se tratado de um míssil balístico de médio alcance.

O míssil foi lançado pelas 07:55 (22:55 de sábado em Lisboa) da base aérea de Banghyon, situada na zona oeste da Coreia do Norte, e seguiu para este, em direção ao mar do Japão, referiu o ministério sul-coreano, indicando não ser possível determinar ainda o tipo de míssil.

O míssil percorreu cerca de 500 quilómetros, até cair no mar, de acordo com o Estado-Maior Conjunto de Seul.

O lançamento coincide com a visita de Abe aos Estados Unidos, mas seria esperado também por outra razão.Seul advertiu, esta semana, que a Coreia do Norte poderia estar a preparar "novas provocações" por volta de dia 16, altura em que se comemora o 75.º aniversário do nascimento do "querido líder" Kim Jong-il - pai do atual dirigente do país,

Kim Jong-un, conhecido por ter impulsionado o programa de armas nucleares -, segundo afirmou o primeiro-ministro e Presidente sul-coreano em exercício, Hwang Kyo-ahn.Esta data (16 de fevereiro), conhecida como o "Dia da Estrela Brilhante", em homenagem ao pai do atual líder é uma das mais importantes festividades da Coreia do Norte.

  • Japão e EUA "lado a lado a 100%"
    1:08

    Mundo

    O primeiro-ministro no Japão estava com Donald Trump quando soube do míssil que a Coreia do Norte lançou em direção ao Mar do Japão. Shinzo Abe diz que o lançamento é absolutamente inaceitável. A partir da casa de férias do Presidente dos Estados Unidos na Florida, os dois líderes garantiram que estão lado a lado.

  • Pyongyang está "fanaticamente obcecado" com mísseis, diz Seul
    0:40

    Mundo

    O Governo da Coreia do Sul diz que Pyongyang está "fanaticamente obcecado" com o desenvolvimento de mísseis nucleares e balísticos. Foi a expressão usada pelo ministro sul-coreano dos Negócios Estrangeiros para se referir ao lançamento de um míssil balístico ontem à noite.

  • Incêndio na Sertã "está para durar"
    3:32

    País

    Mais de 700 operacionais combatem o incêndio com três frentes ativas, na Sertã. A jornalista da SIC, Patrícia Figueiredo, esteve junto a Relva da Louça, em Proença-a-Nova, onde avançou que a "situação está complicada" e que as chamas estão quase a alcançar a localidade. A jornalista dá conta ainda de várias equipas da Proteção Civil a ajudar os bombeiros e do seu trabalho dificultado por causa do vento.

  • Genro de Donald Trump depõe hoje no Senado

    Mundo

    Jared Kushner, genro do Presidente dos EUA Donald Trump, vai hoje depor à porta fechada perante o comité dos serviços de inteligência do Senado, a câmara alta do Congresso norte-americano.

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.

  • Projéteis com bolsas de água ajudam Israel a combater os fogos
    3:34

    Mundo

    Israel tem sido afetado por graves incêndios nos últimos meses. Várias empresas de armamento têm-se dedicado à luta contra o fogo e criaram, recentemente, uma nova arma para apagar fogos: um míssil de água, fabricado pela indústria de material de guerra, que tem ajudado bastante os bombeiros israelitas. A reportagem do correspondente da SIC no Médio Oriente, Henrique Cymerman, mostra-nos como funcionam os projéteis de água.

    Henrique Cymerman

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15