sicnot

Perfil

Mundo

Barragem nos EUA em risco de colapso, retiradas quase 200 mil pessoas

Barragem nos EUA em risco de colapso, retiradas quase 200 mil pessoas

O risco de colapso de uma barragem, no estado norte-americano da Califórnia, levou à retirada de quase 200 mil pessoas. A barragem de Oroville fica a cerca de 250 quilómetros de São Francisco.

A ordem de evacuação foi dada este domingo. As estradas encheram-se de carros com milhares de familias em fuga, no norte do estado da Califórnia. Na origem do alerta, esteve uma fissura na barragem de Oroville, que ameça fazer ruir uma das seções e inundar as cidades mais próximas.

Depois de várias semanas de chuva intensa, a barragem atingiu a capacidade máxima e a água teve de ser libertada por um descarregador de emergência pela primeira vez em 50 anos.

Para evitar o colapso, as autoridades estão a lançar pedras e cimento em pontos estratégicos da estrutura, ao mesmo tempo que tentam reduzir o nível de água da barragem para diminuir a pressão e conter eventuais fugas.

As equipas responsáveis pela operação garantem que a erosão não está a evoluir de forma rapida. Ainda assim, lembram que a situação mantém-se perigosa.

A barragem de Oroville é a mais alta dos Estados Unidos, com mais de 200 metros de altura.

  • Mais de 180 mil pessoas retiradas devido ao risco de colapso de uma barragem na Califórnia

    Mundo

    Mais de 180 mil pessoas foram retiradas das suas casas a norte da Califórnia, nos Estados Unidos, devido aos danos causados pelas fortes chuvas na barragem de Oroville. O nível das águas subiu drasticamente e a estrutura terá começado a ceder devido à força das correntes. Em 50 anos de existência, esta é a primeira vez que se regista uma situação de emergência na barragem de Oroville.

  • Alterações nos horários das farmácias têm o objetivo de evitar duplicação de serviços
    1:50
  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),