sicnot

Perfil

Mundo

Estudo conclui que o filho mais velho é geralmente o mais inteligente

© Michaela Rehle / Reuters

A ordem de nascimento numa família parece não afetar na formação da personalidade, mas pode influenciar na capacidade cognitiva. Um novo estudo realizado nos Estados Unidos concluiu que o filho mais velho é geralmente mais inteligente e tem mais sucesso a nível académico.

A investigação baseou-se na informação disponível no Children of the National Longitudinal Survey of the Youth, que inclui dados de milhares de norte-americanos entre os 14 e os 21 anos de idade. Os registos incluem referências sobre educação, emprego e outras informações gerais. Algumas das crianças foram regularmente interrogadas sobre questões relativas ao seu nascimento, ambiente familiar, resultados escolares, etc.

"Ficámos surpreendidos ao verificar que a ordem de nascimento, os diferentes resultados em testes cognitivos e o comportamento parental tivessem uma relação logo desde muito cedo", disse à NBC Jee-Yeon K. Lehmann, co-autora do estudo publicado no Journal of Human Resources.

"Com o primeiro filho, os pais tendem a querer fazer tudo muito bem, geralmente estão muito conscientes da importância da interação e investem bastante no filho mais velho", referiu Lehmann.

"Em relação ao segundo filho e aos que se seguem, os pais tendem a ser mais relaxados em relação às necessidas que podem ser consideradas menos essenciais para os seus filhos", sublinhou a investigadora.

O estudo concluiu que os pais dão o mesmo amor e carinho a todos os seus filhos, mas os mais velhos são intelectualmente mais estimulados, sendo as famílias incapazes de manter os mesmo nível de estimulação com os filhos que nascem a seguir. Os progenitores passam menos tempo a ler para os filhos mais novos e a ensinar-lhes conceitos básicos, como por exemplo o alfabeto. Também é menos provável que garantam atividades ou brinquedos suficientemente estimulantes.

  • Aviação russa matou mais de 11 mil pessoas na Síria

    Mundo

    Pelo menos 11.612 pessoas morreram na Síria em resultado dos bombardeamentos da aviação russa, aliada do Governo de Damasco, iniciados em 30 de setembro de 2015, de acordo com dados publicados hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

  • Mais de 500 casos de sarampo na Europa este ano, avisa OMS

    Mundo

    Mais de 500 casos de sarampo foram reportados só este ano na Europa, afetando pelo menos sete países, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em Portugal, a OMS reconheceu oficialmente a eliminação do vírus do sarampo no verão do ano passado.