sicnot

Perfil

Mundo

Mulher americana visita todos os países do mundo em tempo recorde

Cassie de Pecol, na Coreia do Norte.

196 países em 18 meses e 26 dias. Foi quanto tempo levou a americana Cassie de Pecol a percorrer todos os países do mundo. O objetivo era promover a paz, mas nem todos a receberam de braços abertos.

A mulher, de 27 anos, sentia que para viajar à volta do mundo precisava de um objetivo concreto.

Encontrou-o no Instituto Internacional para a Paz no Turismo. Na viagem que iniciou a julho de 2015 como embaixadora desta instituição, Cassie decidiu promover o entendimento cultural.

Instagram

Em mais de 50 países, Cassie encontrou-se com governadores e ministros do turismo para apresentar a Declaration of Peace (Declaração de Paz). Apesar disso, as boas-vindas nem sempre foram agradáveis.

Na Coreia do Norte, um soldado cumprimentou Cassie com aperto de mão e um "Vamos destruir-vos, América". A mulher não se deixou ficar e respondeu que "apesar de os nossos governos não serem amigos, isso não significa que tenhamos que ser inimigos".

No instagram expedition_196, Cassie partilhou fotografias da sua viagem e reflexões sobre os países que visitou.

A viagem, que durou mais de ano e meio, chegou agora ao fim e foi concluída em menos de metade do tempo do antigo recordista do Guinness.

Instagram
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.