sicnot

Perfil

Mundo

Calvície depende de muitas variáveis genéticas, muitas herdadas das mães

© Marcelo del Pozo / Reuters

Um estudo genómico sobre a calvície identificou mais de 200 regiões genéticas envolvidas na perda de cabelo, variações que podem ajudar a prever se alguém vai ficar careca ainda que sem o poder impedir.

O estudo, liderado por Saskia Hagenaars e David Hill, da Universidade de Edimburgo, Reino Unido, foi publicado esta terça-feira na revista científica norte-americana PLOS Genetics.

Até este estudo apenas tinham sido identificados um pequeno número de genes relacionados com a calvície. Agora, os cientistas da Universidade de Edimburgo examinaram dados sobre o genoma e a saúde de 52.000 participantes, fazendo um estudo sobre a associação entre o genoma e a calvície e identificando 287 regiões genéticas ligadas a esta.

Os cientistas criaram uma fórmula para tentar prever a possibilidade de alguém ficar careca, com base na presença ou ausência de certos marcadores genéticos. Previsões com mais precisão ainda não são possíveis, mas os resultados podem ajudar a identificar subgrupos da população com maior risco de perda de cabelo.

O estudo, a maior análise genética da calvície masculina feita até hoje, indica que muitos dos genes identificados estão relacionados com a estrutura e desenvolvimento do cabelo, o que poderia ajudar na descoberta de medicamentos para tratar a calvície.

Saskia Hagenaars explicou que foi "interessante identificar que muitos sinais genéticos para o padrão masculino da calvície vieram do cromossoma X, que os homens herdam das suas mães".

Lusa

  • Fãs de Bruno Mars passaram a noite ao relento
    2:35
  • Comandante da Proteção Civil confiante nos meios de combate aos incêndios
    1:56

    País

    Depois das falhas apontadas ao sistema de comunicações SIRESP durante os incêndios do ano passado, o cComandante operacional da Proteção Civil diz que não há meios de comunicação infalíveis. Duarte Costa acredita que este verão será mais calmo do que anterior e contabiliza já mais de 2000 incêndios desde maio que não foram notícia.