sicnot

Perfil

Mundo

Disney corta relações com youtuber mais bem pago do mundo por anti-semitismo

A Disney cortou os laços com PewDiePie, a estrela do YouTube mais bem paga do mundo, devido a alegações de anti-semitismo.

A decisão aconteceu depois de vários vídeos que o sueco lançou nos últimos meses que a Disney considerou terem referências nazis ou imagens anti-semitas.

PewDiePie, cujo nome verdadeiro é Felix Kjellberg, afirma que o material era ofensivo, mas que não fomentava "qualquer tipo de de ódio".

O sueco lucrou 14,2 milhões de euros com os seus vídeos no YouTube em 2016.

Felix estava associado à Disney através da Maker Studios, uma empresa que detém uma rede de estrelas do YouTube, tinha mais de 53 milhões de subscritores, obtendo billiões de visualizações por mês, o que gerou uma enorme receita em publicidade.

"Embora Felix tenha criado um canal por ser provocativo e irreverente, claramente foi longe demais neste caso e os vídeos são inadequados", disse a Maker Studios.

Num dos vídeos polêmicos, Kjellberg pagou a dois índios para segurarem um letreiro que dizia "Morte a todos os judeus".

Em resposta às críticas, defendeu-se dizendo que estava "a tentar mostrar o quão louco o mundo moderno é, especificamente alguns dos serviços disponíveis on-line" e que as pessoas "fazem qualquer coisa por cinco dólares".

Noutros vídeos, também mostrou suásticas desenhadas por um fã, tocou o hino do Partido Nazi e fez uma breve saudação de Hitler - tudo como piada, disse.

No ano passado, PewDiePie foi temporariamente suspenso do Twitter depois de fazer fazer humor com o Estado Islâmico.

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.