sicnot

Perfil

Mundo

Guterres prolonga duração de mandatos em vários cargos-chave da ONU

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, anunciou esta terça-feira que prolongou por um ano o mandato de vários cargos-chave, uma revisão completa de toda a estratégia de paz e de segurança da organização.

Deste modo, foi decidida a continuidade do norte-americano Jeffrey Feltman, como secretário-geral adjunto para os Assuntos Políticos, do argentino Oscar Fernandez-Taranco, vice-secretário-geral de Apoio à Consolidação da Paz, e do indiano Atul Khare, no apoio ao secretário-geral Adjunto das Atividades no Terreno.

Por sua opção, deixará o cargo o atual chefe das Operações de Manutenção de Paz, o francês Hervé Ladsous, que será substituído, por um ano, a partir de abril, pelo seu compatriota Jean-Pierre Lacroix, e assim, a França manterá a liderança das missões de paz das Nações Unidas, como ocorre há anos.

António Guterres, em comunicado, afirma que a decisão foi tomada para dar tempo às Nações Unidas para completar o desempenho do processo de reforma e a arquitetura de todos os serviços responsáveis pela Paz e Segurança, noticiou a Efe.

O ex-primeiro-ministro português, que tomou posse no passado 01 de janeiro, disse desde o início que a reforma do sistema administrativo da ONU era uma de suas prioridades e criou uma equipa para discutir as diferentes propostas.

Os peritos deverão agora apresentar as suas recomendações e em junho Guterres deve consultar os Estados-membros sobre as propostas alterações.

Os Estados Unidos são o principal contribuinte para o orçamento da organização internacional, tendo o novo Governo, do Presidente Trump sido muito crítico quanto ao funcionamento das operações de manutenção de paz e comprometeu-se a trabalhar para eliminar tudo o que seja supérfluo.

Lusa

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.