sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 1,5 milhões de adolescentes não frequentam a escola na Tanzânia 

Mais de 1,5 milhões de adolescentes tanzanianos não frequentam a escola devido a obstáculos como a falta de escolas, um exame que limita o acesso ao secundário e a expulsão de grávidas ou casadas, foi hoje divulgado.

Num relatório, a organização Human Rights Watch (HRW) lamenta que mais de 40% dos adolescentes da Tanzânia fiquem de fora do ensino secundário, "apesar da decisão positiva do governo de tornar gratuita" a frequência do "ensino secundário".

"A abolição das propinas na escola secundária foi um enorme passo para melhorar o acesso ao ensino secundário na Tanzânia (...), mas o governo deve fazer mais para dar resposta à sobrelotação nas salas de aula, à discriminação e abuso que minam a educação de muitos adolescentes", disse Elin Martinez, investigadora sobre os direitos das crianças da HRW e autora do relatório, citada num comunicado da organização.

O relatório "I Had a Dream to Finish School: Barriers to Secondary Education in Tanzania" (Tive um sonho de terminar a escola: Barreiras à instrução secundária na Tanzânia) tem por base entrevistas a mais de 220 estudantes do ensino secundário, adolescentes que não frequentam a escola, pais, especialistas em educação, ativistas locais, parceiros de desenvolvimento e responsáveis da administração local e nacional.

Segundo a organização de defesa dos direitos humanos com sede em Nova Iorque, "a educação tem sido uma prioridade nacional para sucessivos governos tanzanianos desde a independência em 1961" e o executivo destinou à educação 22% do orçamento para 2016-2017.

No entanto, a Tanzânia é um país subdesenvolvido e "tem uma das populações mais jovens do mundo, 43% são menores de 15 anos".

A HRW indica que em algumas áreas rurais os estudantes têm de percorrer até 25 quilómetros para chegar à escola, alguns adolescentes não podem ir às aulas porque não têm dinheiro para o transporte, a farda, livros ou alojamento e muitos não conseguem ultrapassar o desafio do exame de final da primária, que não podem repetir.

"Desde 2012, os resultados do exame afetaram cerca de 1,6 milhões de crianças no acesso ao ensino secundário", refere a organização no comunicado.

Em relação às raparigas acresce a rotineira expulsão das que ficam grávidas, por "ofensas contra a moralidade" -- calcula-se que 8.000 deixam a escola anualmente - e a saída forçada das que são obrigadas a casar antes dos 18 anos, assinala o relatório.Dados do Banco Mundial indicam que menos de um terço das raparigas que entram no ensino secundário consegue conclui-lo.

A HRW pede ao governo para acabar com os testes de gravidez nas escolas e com as expulsões das grávidas ou casadas, bem como para "publicar imediatamente uma circular para que as escolas permitam que as jovens mães continuem o ensino secundário".

A falta de condições para os deficientes, as punições corporais e o assédio sexual às estudantes são outras das questões a tratar para "garantir uma educação ao nível do secundário para todos" com a qual "o governo se tem repetidamente comprometido", considera a HRW.

Lusa


  • Incêndio na Sertã "está para durar"
    3:32

    País

    Mais de 700 operacionais combatem o incêndio com três frentes ativas, na Sertã. A jornalista da SIC, Patrícia Figueiredo, esteve junto a Relva da Louça, em Proença-a-Nova, onde avançou que a "situação está complicada" e que as chamas estão quase a alcançar a localidade. A jornalista dá conta ainda de várias equipas da Proteção Civil a ajudar os bombeiros e do seu trabalho dificultado por causa do vento.

  • Genro de Donald Trump depõe hoje no Senado

    Mundo

    Jared Kushner, genro do Presidente dos EUA Donald Trump, vai hoje depor à porta fechada perante o comité dos serviços de inteligência do Senado, a câmara alta do Congresso norte-americano.

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.

  • Projéteis com bolsas de água ajudam Israel a combater os fogos
    3:34

    Mundo

    Israel tem sido afetado por graves incêndios nos últimos meses. Várias empresas de armamento têm-se dedicado à luta contra o fogo e criaram, recentemente, uma nova arma para apagar fogos: um míssil de água, fabricado pela indústria de material de guerra, que tem ajudado bastante os bombeiros israelitas. A reportagem do correspondente da SIC no Médio Oriente, Henrique Cymerman, mostra-nos como funcionam os projéteis de água.

    Henrique Cymerman

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15