sicnot

Perfil

Mundo

Os famosos "Trumpshakes" e o aperto de mão que deixou pendurado o Presidente dos EUA

© Kevin Lamarque / Reuters

Rita Ferro

Jornalista

Os "Trumpshakes" são a partilha do momento. Alguém inventou a palavra para os famosos apertos de mão de Donald Trump. Desta vez, foi o (não) cumprimento do primeiro ministro canadiano ao Presidente dos EUA que deu que falar.

Em cima da mesa estavam as políticas de imigração e para os refugiados, e por isso, Justin Trudeau ter, aparentemente, deixado Trump "pendurado" foi um momento que se tornou viral. No Twitter, as piadas não se fizeram esperar.

"(...) maior demonstração de domínio na história do Canadá."

Claro que se virmos o vídeo todo, não foi bem assim. Aliás, não foi de todo assim. Mas a foto congela uma inexistente hesitação. Aparentemente, o encontro entre os dois correu bem e as relações entre os dois países parecem ter saído intactas da reunião e do (não) aperto de mão.

Os apertos de mão de Donald Trump têm feito as delícias dos meios de comunicação e redes sociais. São vigorosos, acompanhados de umas palmadinhas e, raramente, adequados a quem está do outro lado. O mais famoso talvez seja o que durou 19 segundos ao primeiro ministro Japonês. Diz o The Telepraph que a linguagem gestual de Trump é de "alfa macho". Divirta-se com os "Trumpshakes".

  • Tiroteio no Mississipi provoca oito mortos
    1:23

    Mundo

    Oito pessoas morreram, incluindo um polícia, depois de um tiroteio no estado norte-americano do Mississipi, nos Estados Unidos da América. O suspeito, um homem de 36 anos, já foi detido, mas as autoridades dizem que ainda é cedo para saber os motivos.

  • Milhares de brasileiros protestam na Praia de Copacabana contra Temer
    3:04
  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40
  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.