sicnot

Perfil

Mundo

Trump pediu demissão de Flynn porque "perdeu a confiança" no ex-assessor 

O Presidente dos EUA, Donald Trump, pediu a demissão de Michael Flynn porque perdeu a confiança neste seu ex-assessor para a segurança nacional após as revelações dos seus contactos com a Rússia, indicou hoje o porta-voz da Casa Branca.

No decurso da conferência de imprensa diária, Sean Spicer negou que a saída do general Michael Flynn tenha sido provocada por uma questão "legal" pelas suas conversas com o embaixador russo em Washington, Serguei Kislyak, mas sobre cujo conteúdo mentiu ao vice-Presidente, Mike Pence, e a outros altos responsáveis da administração.

O porta-voz explicou que Trump foi informado há algumas semanas que Flynn não tinha dito a verdade sobre os seus contactos com Kislyak, e uma avaliação da questão motivou a "erosão dessa confiança", até à necessidade de "fazer uma mudança" na sequência de uma situação "insustentável".

No final de janeiro o Departamento de justiça advertiu a Casa Branca que Flynn poderia estar numa posição comprometida pelas suas contradições sobre os contactos com Kislyak, e inclusive poder ser vulnerável a possíveis chantagens do Kremlin.

Spicer assegurou hoje que Trump estava informado da situação desde o início, e apesar de ter concluído com os seus assessores jurídicos que não existiu transgressão da lei por parte de Flynn, decidiu pedir a renúncia por "uma questão de "confiança".

No entanto, esta situação contribuiu para aumentar as interrogações sobre as declarações de amizade de Trump face à Rússia.

O relato de Spicer contradiz uma das mais próximas conselheiras de Trump, Kellyanne Conway, que na segunda-feira, horas antes do anúncio da demissão, disse que Flynn contava com a "total confiança" do Presidente, e hoje comentou que o ex-assessor apresentou a demissão por vontade própria.

Na segunda-feira, o conselheiro para a segurança nacional do Presidente e um general condecorado que aconselhou Donald Trump em política externa durante a sua campanha para as presidenciais de 08 de novembro, foi forçado à demissão após as revelações dos 'media' sobre os seus contactos com a Rússia durante o período de transição entre o Governo de Barack Obama e o atual, e também quando o ex-Presidente estava em funções.

Algumas dessas chamadas telefónicas foram intercetadas, e segundo as transcrições Flynn e o embaixador russo falaram das sanções contra o Kremlin impostas por Obama antes de deixar a Casa Branca, como represália pela suposta ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas.

No entanto, Flynn terá assegurado a Pence e a outros responsáveis que o tema das sanções não tinha sido abordado com Kislyak.

Hoje, Spencer negou rotundamente que Trump tenha dado instruções a Flynn para abordar com o embaixador russo o tema das sanções.

Lusa


  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.