sicnot

Perfil

Mundo

A culpa é do aquecimento do mar

© Aaron Harris / Reuters

Pequenos picos na temperatura do mar, e não do ar, poderão ter sido os responsáveis pelo desaparecimento da camada de gelo que cobriu a América do Norte e o Canadá na última época glacial.

A conclusão faz parte de um estudo da Universidade de Michigan, Estados Unidos, publicado hoje na revista Nature, que explica um paradoxo da idade do gelo - o degelo em épocas glaciais - e sugere que as alterações climáticas podem levar à subida da água do mar mais do que tem sido previsto.

O comportamento da camada de gelo que cobria milhões de quilómetros, incluindo a maior parte do Canadá e parte dos Estados Unidos, tem confundido os cientistas porque os períodos de fusão e de dissolução no mar aconteceram nos tempos mais frios da última idade do gelo. O gelo deveria derreter quando estivesse calor mas tal não aconteceu.

"Demonstrámos que não é necessário um aquecimento da atmosfera para desencadear situações de desintegração do gelo em larga escala se o oceano aquecer" e começar a derreter as pontas dos lençóis de gelo, disse Jeremy Bassis, professor de clima e ciências espaciais e engenharia.

"É possível que nos atuais glaciares, não só as partes que estão a flutuar mas mesmo as que estão em contacto com os oceanos, sejam mais sensíveis ao aquecimento da água do que se pensava", adiantou.

Tal pode estar a acontecer na Gronelândia e mesmo na Antártida. Bassis tem trabalhado num modelo de estudo diferente sobre como é que o gelo se quebra e flutua, procurando respostas sobre o armazenamento do gelo na Terra e a forma como ele reage às mudanças de temperatura do ar e dos oceanos.

Com base neste modelo, cientistas têm admitido que o degelo na Antártida possa elevar o nível da água do mar em mais de 90 centímetros. No estudo agora divulgado, Bassis e a sua equipa aplicaram uma versão do modelo para estudar as mudanças climáticas na idade do gelo, que terá terminado há cerca de 10.000 anos.

Usaram registos de sedimentos do núcleo do gelo e dos oceanos para estimar a temperatura da água e as suas variações, tentando perceber se o que está a acontecer na Gronelândia pode descrever comportamentos do passado.

E concluíram que apenas um aquecimento mínimo da água do mar pode desestabilizar toda uma região, mesmo que não se verifique um aumento do aquecimento atmosférico.

Lusa

  • "Recongelar" o Ártico, novo plano para combater os efeitos do aquecimento global

    Mundo

    A situação desesperada que se vive no Ártico levou a comunidade científica a delinear um plano que possa combater os efeitos do aquecimento global. O Polo Norte tem registado temperaturas 20 graus acima do que seria normal, o gelo derrete a um ritmo sem precedentes e os cientistas anunciam uma forma de "recongelar" o Ártico. Bombear a água do oceano para a superfície pode ser uma solução para combater o rápido degelo.

  • Cientistas dizem que rápido degelo do Ártico é sinal de alarme
    1:30

    Mundo

    As temperaturas anormalmente altas e o rápido degelo estão a preocupar os cientistas, que alertam para que as mudanças na região polar poderão ter impactos globais e potencialmente desastrosos. O relatório "Resiliência do Ártico 2016" apresentado esta sexta-feira em Estocolmo, na Suécia, indica que os efeitos do aquecimento do Ártico poderão ser sentidos mesmo no oceano Índico. O investigador do Instituto do Ambiente de Estocolmo, Marcus Carson, avisa que a melhor forma de travar o aquecimento global é deixarmos de queimar combustíveis fósseis.

  • As consequências das alterações climáticas
    2:45

    Mundo

    Depois dos recordes de 2014 e 2015, este ano corre o risco de ser o mais quente desde que há registos. Os efeitos das mudanças climáticas ocorrem um pouco por todo o planeta. Incêndios devastadores, inundações súbitas, degelo no Ártico, até a grande barreira de corais da Austrália está ameaçada.

  • Sinais do Ártico
    37:49

    Grande Reportagem SIC

    As alterações climáticas estão de novo na ordem do dia graças à Cimeira de Paris e ao Presidente dos Estados Unidos, que se tem mostrado muito cético em relação às teorias da comunidade científica. Mas os habitantes das Ilhas Svalbard não têm dúvidas de que o clima está em acelerada mutação. É deste lugar distante que nos chegam "Sinais do Ártico", a Grande Reportagem SIC desta quinta-feira.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.