sicnot

Perfil

Mundo

Condições de vida de 750.000 iraquianos no oeste de Mossul preocupam ONU

Abu Wissam, cuja esposa e filho foram mortos pelo Estado islâmico

© Ahmed Saad / Reuters

As condições de vida de cerca de 750.000 iraquianos quase sitiados na zona oeste de Mossul controlada pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI) estão a deteriorar-se rapidamente, disse hoje uma responsável da ONU.

A parte oeste da segunda cidade do Iraque está praticamente cercada pelas forças de segurança iraquianas, que preparam uma ofensiva para a reconquistar após terem recuperado aos 'jihadistas' no mês passado a parte leste do último bastião do EI no país.

As forças governamentais, ajudadas pela aviação da coligação internacional dirigida pelos Estados Unidos, lançaram a 17 de outubro a ofensiva para recuperar Mossul.

"Estamos extremamente preocupados com a rápida deterioração das condições (de vida) no oeste de Mossul", declarou a coordenadora das operações humanitárias da ONU no Iraque, Lise Grande.

"As famílias enfrentam graves problemas, metade das lojas estão fechadas", disse Grande durante uma visita ao campo de deslocados de Hassancham, situado entre Mossul e Erbil, a capital da região autónoma do Curdistão iraquiano.

A parte oeste de Mossul é um pouco mais pequena que a leste, da qual está separada pelo rio Tigre, mas é mais povoada.

Um pequeno número de habitantes de Mossul abandonou o leste na cidade no início da ofensiva, mas a responsável da ONU disse esperar um êxodo maior da parte oeste.

Segundo as estimativas da ONU, perto de 200.000 pessoas fugiram de Mossul e dos arredores desde 17 de outubro, embora 46.000 já tenham regressado a casa."Esperamos que 250.000 civis deixem o oeste de Mossul", disse Lise Grande. Adiantou existirem atualmente 20 campos de deslocados e centros de emergência à volta da cidade iraquiana, sublinhando que a ONU e os seus parceiros estão a tentar "criar novos locais ao sul de Mossul".

Os combates para recuperar o oeste de Mossul podem ser ainda mais mortíferos, pois os 'jihadistas' estão entrincheirados nas ruas estreitas da Cidade Velha.

Lise Grande disse ainda que as agências da ONU vão interromper provisoriamente as operações de ajuda em alguns bairros da zona leste que continuam a ser atacados pelo EI, com pesadas baixas entre os civis.

"Até que a segurança melhore será difícil para nós dar assistência", referiu.

Lusa

  • Buscas no Benfica, P. Ferreira, V. Setúbal e Desportivo das Aves

    Desporto

    A Polícia Judiciária do Porto está a fazer buscas à SAD do Benfica, no Estádio da Luz, e ainda ao Paços de Ferreira, Desportivo das Aves e Vitória de Setúbal. Em causa estão alegados crimes de corrupção desportiva e fraude fiscal. O clube da Luz já reagiu em comunicado.

    Em atualização

  • Sousa Cintra e Comissão de Gestão analisam futuro do Sporting
    2:37

    Crise no Sporting

    Sousa Cintra reuniu-se hoje com a Comissão de Gestão para analisar o que fazer no Sporting, depois da tomada de posição de Bruno de Carvalho. O presidente que foi destituído do cargo na Assembleia Geral de sábado, depois de dizer que se ia afastar, deixou depois a garantia de que vai impugnar a reunião magna do clube e vai a eleições.

  • Lei que permite a entrada de animais em espaços de restauração gera dúvidas
    2:23

    País

    A lei que permite a entrada de animais de companhia em estabelecimentos de restauração, que entrou hoje em vigor, está a gerar dúvidas para os proprietários. Até ao momento são poucos os estabelecimentos que aderiram e a previsão é para que assim continue. A DECO questionou 1800 pessoas sobre a presença dos animais nos restaurantes e apenas 25% votou a favor.

  • "Isto é a demagogia à solta"
    0:45

    Opinião

    Quem o diz é Luís Marques Mendes a propósito da aprovação esta semana da lei do CDS-PP que elimina o adicional do imposto sobre os combustíveis. O comentador da SIC critica a oposição por ter levado a votação uma lei inconstitucional e acusa ainda os parceiros de Governo de deslealdade. 

    Luís Marques Mendes

  • Gato reencontra dono 10 anos depois de ter desaparecido

    Mundo

    A Blue Cross recolheu no mês passado um gato que tinha sido dado como desaparecido em 2008, num altura em que o dono Mark Salisbury residia em Ipswich, Suffolk, no Reino Unido. Graças ao microchip de Harry, a associação britânica que se dedica à proteção animal, conseguiu localizar Salisbury, que agora vive em Gloucestershire.