sicnot

Perfil

Mundo

Lufthansa chega a acordo com pilotos para pôr fim a braço-de-ferro

© Tobias Schwarz / Reuters

A companhia aérea alemã chegou a acordo com os sindicatos para aumentar em 8,7% salários de 5.400 pilotos das companhias Lufthansa, Lufthansa Cargo e Germanwings e pôr fim a um longo diferendo salarial que custou cerca de 500 milhões de euros e mais de uma dezena de greves.

Ao aumento que deverá ser feito em 4 etapas, até 2019, acrescem prémios num volume total de cerca de 30 milhões de euros, ou seja, cerca de 5.000 a 6.000 euros por piloto. Isto corresponde a "cerca de meio mês de salário" por piloto, indicou em comunicado o Cockpit, considerado "aceitável" o compromisso alcançado.

A subida da remuneração dos pilotos vai aumentar os custos salariais do grupo em cerca de 85 milhões de euros por ano, precisou a Lufthansa. O novo acordo, que deve ainda ser aprovado pelos membros do sindicato, vai estar em vigor até ao fim de 2019.

O grupo quer compensar este custo adicional fretando 40 aviões, sem que as tripulações sejam abrangidas pelo novo acordo salarial.
No outono de 2016, a Lufthansa já tinha chegado a acordo com a Air Berlin para alugar 38 aparelhos (com tripulações incluídas) e aumentar a frota da companhia de baixo custo Eurowings, com pilotos com salários mais baixos.


O braço-de-ferro entre o sindicato Cockpit e a administração durava desde 2014. Segundo a Lufthansa, as várias greves que tiveram lugar já lhe custaram 351 milhões de euros em 2014 e 2015. Uma nova vaga de paralisações em novembro de 2016 custou 100 milhões de euros.
Há ainda outros assuntos, como as reformas, que devem ser negociados entre o sindicato e a administração.

A perspetiva de um fim para o conflito com os pilotos beneficiava as ações da Lufthansa que às 12:14 (hora de Lisboa) subiam 1,21% para 13 euros na bolsa de Frankfurt.

Com agências

  • Portugueses divididos na recondução da procuradora-geral da República
    1:31
  • "Os castigos incluiam sovas frequentes e até estrangulamento"
    5:03
  • Teste ao sangue deteta oito tipos de cancro

    Mundo

    Um novo teste sanguíneo experimental permitiu detetar precocemente os oito cancros mais frequentes em 70 por cento dos casos, de acordo com um estudo publicado na revista Nature feito por investigadores nos Estados Unidos.