sicnot

Perfil

Mundo

Motoristas da Uber no Brasil estão a ser mortos por dinheiro

© Reuters Photographer / Reuter

No Brasil, a Uber aceita que as viagens sejam pagas em dinheiro. Uma situação que, à partida, parece inofensiva, não fossem o aumento dos assaltos e mortes que a prática despoletou.

Numa noite de setembro de 2016, o condutor brasileiro Osvaldo Luis Modolo Filho recebeu um pedido de boleia de um jovem casal em São Paulo, que seria pago em dinheiro. Sem nunca imaginar o final, Osvaldo aceitou o pedido.

A alguns quarteirões do destino, os dois jovens - que tinham usado nomes falsos na aplicação - apontaram duas facas de cozinha ao motorista e esfaquearam-no repetidamente. O homem, de 52 anos, foi deixado no meio da rua, ferido, enquanto os seus agressores fugiram no carro que lhe pertencia, de acordo com a Reuters.

O homem acabou por morrer, não resistindo aos ferimentos que os jovens lhe provocaram. Segundo a empresa, esta foi a primeira vez que um condutor da Uber foi morto no Brasil, mas os crimes não pararam por aqui.

Antes de aceitarem uma viagem, os motoristas da Uber não sabem a localização dos clientes. Acabam por isso, muitas das vezes, no meio das favelas brasileiras à mercê de criminosos.

Até agora, a polícia brasileira confirmou pelo menos seis mortes de motoristas da Uber. O aumento na taxa de crime está relacionado com a nova política da empresa que permite pagamentos em dinheiro.

Em outubro, a Uber negou quaisquer problemas relacionados com os pagamentos no Brasil. Andrew Macdonald, coordenador da região, disse que a empresa estudou todas as possibilidades e que não existia perigo.

A Uber aceita o pagamento das viagens em dinheiro na Índia, Ásia e na América Latina.

Neste momento, os dois individuos que assaltaram e assassinaram o motorista brasileiro foram detidos e condenados por homícidio. Aguardam ainda a sentença final.

  • Homem processa Uber por ter causado o divórcio

    Mundo

    Um cidadão francês processou a Uber por supostamente ter levado ao seu divórcio. Segundo a imprensa francesa, a mulher do cidadão terá descoberto a traição do marido através de notificações enviadas pela Uber.

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há uma outra portuguesa desaparecida. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. As buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42