sicnot

Perfil

Mundo

Motoristas da Uber no Brasil estão a ser mortos por dinheiro

© Reuters Photographer / Reuter

No Brasil, a Uber aceita que as viagens sejam pagas em dinheiro. Uma situação que, à partida, parece inofensiva, não fossem o aumento dos assaltos e mortes que a prática despoletou.

Numa noite de setembro de 2016, o condutor brasileiro Osvaldo Luis Modolo Filho recebeu um pedido de boleia de um jovem casal em São Paulo, que seria pago em dinheiro. Sem nunca imaginar o final, Osvaldo aceitou o pedido.

A alguns quarteirões do destino, os dois jovens - que tinham usado nomes falsos na aplicação - apontaram duas facas de cozinha ao motorista e esfaquearam-no repetidamente. O homem, de 52 anos, foi deixado no meio da rua, ferido, enquanto os seus agressores fugiram no carro que lhe pertencia, de acordo com a Reuters.

O homem acabou por morrer, não resistindo aos ferimentos que os jovens lhe provocaram. Segundo a empresa, esta foi a primeira vez que um condutor da Uber foi morto no Brasil, mas os crimes não pararam por aqui.

Antes de aceitarem uma viagem, os motoristas da Uber não sabem a localização dos clientes. Acabam por isso, muitas das vezes, no meio das favelas brasileiras à mercê de criminosos.

Até agora, a polícia brasileira confirmou pelo menos seis mortes de motoristas da Uber. O aumento na taxa de crime está relacionado com a nova política da empresa que permite pagamentos em dinheiro.

Em outubro, a Uber negou quaisquer problemas relacionados com os pagamentos no Brasil. Andrew Macdonald, coordenador da região, disse que a empresa estudou todas as possibilidades e que não existia perigo.

A Uber aceita o pagamento das viagens em dinheiro na Índia, Ásia e na América Latina.

Neste momento, os dois individuos que assaltaram e assassinaram o motorista brasileiro foram detidos e condenados por homícidio. Aguardam ainda a sentença final.

  • Homem processa Uber por ter causado o divórcio

    Mundo

    Um cidadão francês processou a Uber por supostamente ter levado ao seu divórcio. Segundo a imprensa francesa, a mulher do cidadão terá descoberto a traição do marido através de notificações enviadas pela Uber.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.