sicnot

Perfil

Mundo

"Não há uma solução alternativa para a situação entre Israelitas e Palestinianos"

© Amr Dalsh / Reuters

O secretário-geral da ONU alertou esta quarta-feira, no Egito, para os perigos de se abandonar uma solução de dois estados para o conflito israelo-palestiniano, avisando que "não há alternativa."

"Não há uma solução alternativa para a situação entre Israelitas e Palestinianos, a não ser a solução de estabelecer dois estados, e devemos fazer tudo o que pudermos para manter isso", explicou Guterres no final de um encontro com o presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi.

Na terça-feira, em antecipação de um encontro entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, a Casa Branca disse que Estados Unidos não vão forçar uma solução de dois estados como forma de alcançar a paz na região.

"Uma solução de dois estados que não traz paz não é um objetivo que alguém queira atingir. A paz é o objetivo, venha sob a forma de uma solução de dois estados ou outra coisa, se for isso que os nossos parceiros querem", disse o representante do governo dos EUA.

"Não vamos ditar quais serão os termos da paz", acrescentou, marcando a cisão com aquilo que tem sido a política oficial americana, em administrações republicanas e democratas, dos últimos 50 anos.

Já em dezembro, durante o primeiro encontro de Guterres enquanto futuro secretário-geral com os representantes da Assembleia Geral, o português dissera ter a esperança de ver "os dois Estados lado a lado, reconhecendo-se, e pondo fim a uma das situações mais dramáticas a que o mundo já assistiu."

"Nada me faria mais feliz do que ver a Palestina um Estado independente e de pleno direito como membro da ONU", declarou o português.

O secretário-geral repete assim a posição oficial da ONU, que tem lutado pela opção de dois Estados independentes na região, uma escolha que Ban Ki-moon considerou no ano passado estar "tragicamente mais longe do que nunca."

A Palestina não é membro das Nações Unidas, tem o estatuto de não-membro observador, mas desde 2013 que o seu líder, Mahmoud Abbas, tem direito a discursar no encontro anual da Assembleia-Geral.

Dos 193 Estados-membros da ONU, 136 (cerca de 71%) reconhecem a Palestina como Estado.

Lusa

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46