sicnot

Perfil

Mundo

"Não há uma solução alternativa para a situação entre Israelitas e Palestinianos"

© Amr Dalsh / Reuters

O secretário-geral da ONU alertou esta quarta-feira, no Egito, para os perigos de se abandonar uma solução de dois estados para o conflito israelo-palestiniano, avisando que "não há alternativa."

"Não há uma solução alternativa para a situação entre Israelitas e Palestinianos, a não ser a solução de estabelecer dois estados, e devemos fazer tudo o que pudermos para manter isso", explicou Guterres no final de um encontro com o presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi.

Na terça-feira, em antecipação de um encontro entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, a Casa Branca disse que Estados Unidos não vão forçar uma solução de dois estados como forma de alcançar a paz na região.

"Uma solução de dois estados que não traz paz não é um objetivo que alguém queira atingir. A paz é o objetivo, venha sob a forma de uma solução de dois estados ou outra coisa, se for isso que os nossos parceiros querem", disse o representante do governo dos EUA.

"Não vamos ditar quais serão os termos da paz", acrescentou, marcando a cisão com aquilo que tem sido a política oficial americana, em administrações republicanas e democratas, dos últimos 50 anos.

Já em dezembro, durante o primeiro encontro de Guterres enquanto futuro secretário-geral com os representantes da Assembleia Geral, o português dissera ter a esperança de ver "os dois Estados lado a lado, reconhecendo-se, e pondo fim a uma das situações mais dramáticas a que o mundo já assistiu."

"Nada me faria mais feliz do que ver a Palestina um Estado independente e de pleno direito como membro da ONU", declarou o português.

O secretário-geral repete assim a posição oficial da ONU, que tem lutado pela opção de dois Estados independentes na região, uma escolha que Ban Ki-moon considerou no ano passado estar "tragicamente mais longe do que nunca."

A Palestina não é membro das Nações Unidas, tem o estatuto de não-membro observador, mas desde 2013 que o seu líder, Mahmoud Abbas, tem direito a discursar no encontro anual da Assembleia-Geral.

Dos 193 Estados-membros da ONU, 136 (cerca de 71%) reconhecem a Palestina como Estado.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.