sicnot

Perfil

Mundo

Pyongyang alega legítima defesa pelo lançamento do míssil balístico

Programa de televisão sul-coreano mostra imagens do jornal norte-coreano Rodong Sinmun sobre o lançamento do míssil "Pukguksong-2" e o líder da Coreia do Norte Kim Jong Un.

Ahn Young-joon / AP

A Coreia do Norte alega "legítima defesa" pelo lançamento de um míssil balístico no domingo. Rejeita por isso a condenação do Conselho de Segurança da ONU que ameaça com "novas sanções significativas".

Em comunicado, o Ministério dos Negócios Estrageiros da Coreia do Norte diz que a ONU "deve encarar-nos como um Estado nuclear". "Rejeitamos categoricamente o comunicado do Conselho de Segurança da ONU que põe em causa o direito de um Estado soberano recorrer à legítima defesa", cita a agência oficial KCNA.

O míssil foi lançado na madrugada de domingo em Lisboa, a partir da base aérea de Banghyon, situada na zona oeste da Coreia do Norte, e seguiu para este, em direção ao mar do Japão, referiu a Coreia do Sul nesse dia. O míssil percorreu cerca de 500 quilómetros, até cair no mar, de acordo com o Estado-Maior Conjunto de Seul.

As resoluções da ONU proíbem Pyongyang de avançar com qualquer programa nuclear. Desde o primeiro ensaio nuclear norte-acoreano em 2006, o regime já foi alvo de seis conjuntos de sanções, que no entanto não convenceram o regime de Kim Jong-un a abandonar as ambições militares.

Em 2016, Pyongyang levou a cabo dois ensaios nucleares e lançou cerca de 20 mísseis. Tenciona desenvolver tecnologia que coloque o território norte-americano ao alcance dos seus mísseis.

O míssil lançado este domingo é o primeiro desde a entrada em funções do Presidente norte-americano Donald Trump, considerado por isso um claro desafio à nova administração.

Trump prometeu um "resposta forte" à Coreia do Norte, que constitui "um grande, grande problema".

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas. Num despacho enviado à companhia aérea que os transportou, tanto o jornalista como o repórter de imagem são considerados "inadmissíveis no território da Venezuela".

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25
  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.