sicnot

Perfil

Mundo

"Recongelar" o Ártico, novo plano para combater os efeitos do aquecimento global

JOHN MCCONNICO/ AP

A situação desesperada que se vive no Ártico levou a comunidade científica a delinear um plano que possa combater os efeitos do aquecimento global. O Polo Norte tem registado temperaturas 20 graus acima do que seria normal, o gelo derrete a um ritmo sem precedentes e os cientistas anunciam uma forma de "recongelar" o Ártico. Bombear a água do oceano para a superfície pode ser uma solução para combater o rápido degelo.

"Atualmente a única estratégia para lutar contra o aquecimento global tem sido pedir às pessoas que deixem de consumir combustíveis fósseis", disse ao The Guardian um investigador da Universidade Estatal do Arizona. "Essa é uma boa ideia, mas é preciso muito mais do que isso para impedir que o gelo do Ártico desapareça", considerou Steven Desch.

Este investigador participou num estudo que traça um projeto para ajudar a "recongelar" o Ártico. O objetivo é colocar no oceano cerca de 10 milhões de bombas, movidas a energia eólica, que ajudem a fortalecer a camada de gelo nos glaciares, ajudando a combater o efeitos do rápido aumento da temperatura global do planeta.

"Gelo mais resistente significa gelo mais duradouro", defendeu Steven Desch. "O risco do gelo derreter no Ártico no verão será significativamente reduzido", sublinhou o investigador.

A equipa de inestigadores calcula que ao bombear 1,3 metros cúbicos de água para a superfície terá o efeito de aumentar a camada de gelo em 1 metro, o que equivaleria a recuar 17 anos, realçam os cientistas defensores deste método.

JOHN MCCONNICO/ AP

Este não é o primeiro projeto científico que aposta na estratégia de "recongelar" o Ártico. Uma investigação da Universidade de Harvard propõe que sejam disseminadas pelo ambiente partículas que reduzam a incidência de luz solar na Terra.

David Keith, responsável por este estudo publicado na revista Nature Climate Change, explicou ao jornal El Comercio que a ideia para este projeto foi inspirada num fenómeno natural, registado em 1991, nas Filipinas. O vulcão do Monte Pinatubo teve uma erupção que lançou na atmosfera 15 milhões de toneladas de dióxido de enxofre, reduzindo a temperatura na região durante dois anos.

  • Sinais do Ártico
    37:49

    Grande Reportagem SIC

    As alterações climáticas estão de novo na ordem do dia graças à Cimeira de Paris e ao Presidente dos Estados Unidos, que se tem mostrado muito cético em relação às teorias da comunidade científica. Mas os habitantes das Ilhas Svalbard não têm dúvidas de que o clima está em acelerada mutação. É deste lugar distante que nos chegam "Sinais do Ártico", a Grande Reportagem SIC desta quinta-feira.

  • Cientistas dizem que rápido degelo do Ártico é sinal de alarme
    1:30

    Mundo

    As temperaturas anormalmente altas e o rápido degelo estão a preocupar os cientistas, que alertam para que as mudanças na região polar poderão ter impactos globais e potencialmente desastrosos. O relatório "Resiliência do Ártico 2016" apresentado esta sexta-feira em Estocolmo, na Suécia, indica que os efeitos do aquecimento do Ártico poderão ser sentidos mesmo no oceano Índico. O investigador do Instituto do Ambiente de Estocolmo, Marcus Carson, avisa que a melhor forma de travar o aquecimento global é deixarmos de queimar combustíveis fósseis.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15