sicnot

Perfil

Mundo

Secretário da Defesa dos EUA assegura que a NATO se mantém "base fundamental" 

© Yuri Gripas / Reuters

O secretário norte-americano da Defesa, James Mattis, assegurou hoje que a NATO continua a ser uma "base fundamental" para os EUA e sublinhou o "forte apoio" do Presidente Donald Trump à Aliança Atlântica.

"A Aliança mantem-se uma base fundamental para os EUA e para todos os membros da Aliança", afirmou James Mattis, numa declaração aos jornalistas, à chegada à sede da NATO, em Bruxelas, para participar na cimeira de ministros da Defesa.

James Mattis sublinhou que o presidente norte-americano, Donald Trump, manifestou "um forte apoio" à NATO, organização que está "num processo de adaptação aos desafios de segurança", num ritmo cada vez mais rápido.

Afirmando ver a NATO como a sua "segunda casa", James Mattis referiu-se depois ao tema da partilha de custos, um dos assuntos na agenda da reunião, considerando que é "uma reivindicação justa" defender que todos os aliados paguem a sua parte dos custos.

"É apropriado dizer, tal como um ministro da Defesa europeu disse na semana passada, que é uma reivindicação justa que todos os que beneficiam da melhor defesa no mundo assegurem a sua parte proporcional dos necessários custos para defender a liberdade", disse.

James Mattis, que falava ao lado do secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, manifestou-se confiante que a Aliança Atlântica irá "mais uma vez conseguir reagir às mudanças", sublinhando a ideia de "união" entre os países membros.

O secretário da Defesa dos EUA disse que estará na reunião "de forma aberta" para ouvir os seus colegas da Defesa sobre o futuro da organização e sobre "o nível de compromisso" que cada um quer assumir.

Antes, também numa declaração à entrada para a reunião, Jens Stoltenberg deu as boas-vindas ao chefe do Pentágono e considerou que a Organização do Tratado do Atlântico Norte enfrenta "tempos cruciais".

"Uma NATO forte é boa para a Europa e uma Europa forte é boa para os EUA", defendeu, reiterando que "o compromisso" norte-americano para com "o laço transatlântico" é visível não apenas em palavras, mas também em ações.

"Tropas dos EUA estão a chegar à Polónia e aos países bálticos, o que representa uma demonstração clara de que os EUA estão com a Europa nestes tempos difíceis", disse.

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há uma outra portuguesa desaparecida. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. As buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42