sicnot

Perfil

Mundo

"Vou fazer ainda mais para que o Irão nunca desenvolva uma arma nuclear"

O Presidente norte-americano, Donald Trump, garantiu esta quarta-feira que jamais deixará o Irão obter armas nucleares, falando numa conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, ao recebe-lo em Washington.

"Um dos piores acordos que alguma vez vi é o acordo sobre o [programa] nuclear iraniano. O meu Governo já impôs novas sanções ao Irão e vou fazer ainda mais para que o Irão nunca, mesmo nunca, desenvolva uma arma nuclear", disse Trump.

"Os desafios de segurança que Israel enfrenta são enormes, incluindo a ameaça das ambições nucleares do Irão, de que tenho falado muito", prosseguiu.

A promessa do chefe de Estado norte-americano, que reafirmou os "laços indestrutíveis" entre Washington e Telavive, destinou-se a aplacar as preocupações israelitas sobre o acordo nuclear entre o Irão e seis potências mundiais.

"Com esta visita, os Estados Unidos reafirmam mais uma vez os seus laços indestrutíveis com o nosso caro aliado, Israel", declarou Trump, acrescentando tratar-se de uma parceria "assente em valores comuns, que fez avançar a causa da liberdade humana, da dignidade e da paz".

Nos termos do acordo nuclear com o Irão, alcançado em julho de 2015 e que entrou em vigor no ano seguinte, Teerão aceitou desmantelar parte do seu programa nuclear, entregar urânio enriquecido e submeter-se a inspeções internacionais.

Mas os detratores do acordo, entre os quais Netanyahu, têm advertido que quando alguns prazos do acordo expirarem, dentro de dez ou 15 anos, será demasiado cedo para afastar permanentemente a ameaça de Teerão se dotar de armas nucleares.

O quarto dirigente estrangeiro a ser recebido pelo novo Presidente dos Estados Unidos, Netanyahu chegou durante a tarde de hoje à Casa Branca para se reunir com Trump, estando prevista nova conferência de imprensa no final do encontro.

Lusa

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas.