sicnot

Perfil

Mundo

Atentado em Bagdade faz pelo menos 52 mortos 

Pelo menos 52 pessoas morreram e mais de 50 ficaram feridas hoje num atentado com um carro armadilhado na zona sudeste da capital do Iraque, Bagdad, um dos mais mortíferos de 2017, informou a polícia local.

A agência de propaganda Aamaq, com ligação ao grupo jihadista Daesh, que tem reivindicado a maioria dos recentes ataques, noticiou o ataque e disse que teve como alvo "uma concentração de xiitas".

O veículo explodiu dentro de um concessionário de automóveis no bairro de Bayaa e provocou danos materiais, tanto nos edifícios em redor como em vários carros, no mais grave atentado em Bagdad dos últimos seis meses.

A fonte policial acrescentou que as forças de segurança iraquianas conseguiram hoje desativar explosivos que se encontravam num carro estacionado numa garagem no bairro de Sadr City, uma área bastante populosa de maioria xiita localizada na zona leste de Bagdad.

Na terça-feira, um outro veículo explodiu no bairro de Bayaa, provocando a morte de três pessoas e ferimentos em outras 10.

Este novo atentado acontece dois dias depois de milhares de pessoas se terem manifestado no centro de Bagdad por causa da morte de vários civis em confrontos com as forças de segurança iraquianas.

No sábado passado, vários manifestantes, a maioria apoiante do movimento do líder radical xiita Moqtada al-Sadr, entraram em confronto com as forças policiais.

Desde o início do ano, Bagdade e outros locais no Iraque têm sido cenário frequente de vários atentados terroristas.

Ao mesmo tempo, o exército iraquiano e outras forças combatem o grupo extremista Daesh em Mossul, no norte do país.

Lusa


  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras