sicnot

Perfil

Mundo

Células dos tecidos ajudam vírus do VIH a propagar infeção

À esquerda, tecido muscular de um rato velho. À direita, tecido muscular de um rato velho submetido à reprogramação das células.

Salk Institute

Cientistas norte-americanos e europeus descobriram que há células do corpo humano que ajudam o vírus do VIH a infetar outras células, o que esperam que possa levar a novos métodos para prevenir a transmissão.

As células encontram-se na camada que protege o sistema reprodutor e o trato intestinal, a mucosa, que pode ser atravessada pelo vírus quando tem brechas provocadas por lesões físicas ou algumas doenças sexualmente transmitidas.

Na investigação do Instituto Gladstone, Universidade da Califórnia e dos seus colaboradores na Europa, descobriu-se que as células deste tecido que envolve os órgãos, os fibroblastos, transportam o vírus até às células imunitárias, mas sem ficarem infetados.

Examinaram fibroblastos do cérvix, útero, prepúcio, uretra masculina e intestinos, tudo pontos de entrada do VIH, e viram que os fibroblastos transportam o vírus e ainda tornam as células imunitárias mais propensas a serem infetadas.

Os cientistas vão agora tentar perceber como é que isto acontece e esperam com isso ter novas pistas sobre como evitar a infeção.

Por oposição, outro tipo de células daos tecidos da mucosa, as epiteliais, servem como uma barreira contra substâncias prejudiciais.

A hipótese colocada pelos investigadores é que as brechas na mucosa permitem ao vírus passar pelos tecidos sem encontrar oposição e arranjar depois uma forma de transporte nos fibroblastos.

Lusa

  • Fãs de Bruno Mars passaram a noite ao relento
    2:35
  • Comandante da Proteção Civil confiante nos meios de combate aos incêndios
    1:56

    País

    Depois das falhas apontadas ao sistema de comunicações SIRESP durante os incêndios do ano passado, o cComandante operacional da Proteção Civil diz que não há meios de comunicação infalíveis. Duarte Costa acredita que este verão será mais calmo do que anterior e contabiliza já mais de 2000 incêndios desde maio que não foram notícia.