sicnot

Perfil

Mundo

EUA utilizaram obuses de urânio empobrecido na Síria contra o Daesh

HIDAJET DELIC

Os Estados Unidos utilizaram por duas vezes em 2015 na Síria os controversos obuses de urânio empobrecido em operações contra o grupo extremista Daesh, disse fonte do Pentágono

Os obuses de urânico empobrecido são munições anti blindados, cujo uso é criticado pelos riscos que comportam para a saúde dos soldados que as usam e para as pessoas que vivem nas zonas visadas. Segundo o Programa Ambiental da ONU, o urânio empobrecido é um "metal pesado, químico e radiologicamente perigoso", que tem "cerca de 60% da radioatividade do urânio natural".

O Pentágono refere que os obuses de urânio empobrecido foram utilizados duas vezes, a 16 e 22 de novembro de 2015, em operações de bombardeamento contra camiões cisterna do grupo extremista Daesh na Síria. Centenas de camiões foram destruídos naqueles bombardeamentos.

Segundo o major Josh Jacques, um porta-voz do comandante das forças militares no Médio Oriente, 5.265 obuses de 30 milímetros de urânio empobrecido foram utilizadas naquelas operações.

Foram disparados a partir de aviões de ataque para o solo em combinação com outros obuses incendiários.

Aquela combinação foi escolhida para "obter uma maior probabilidade de destruição da frota de camiões", explicou o major, acrescentando que os Estados Unidos deverão voltar a usá-los contra o grupo extremista.

Com Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.