sicnot

Perfil

Mundo

EUA utilizaram obuses de urânio empobrecido na Síria contra o Daesh

HIDAJET DELIC

Os Estados Unidos utilizaram por duas vezes em 2015 na Síria os controversos obuses de urânio empobrecido em operações contra o grupo extremista Daesh, disse fonte do Pentágono

Os obuses de urânico empobrecido são munições anti blindados, cujo uso é criticado pelos riscos que comportam para a saúde dos soldados que as usam e para as pessoas que vivem nas zonas visadas. Segundo o Programa Ambiental da ONU, o urânio empobrecido é um "metal pesado, químico e radiologicamente perigoso", que tem "cerca de 60% da radioatividade do urânio natural".

O Pentágono refere que os obuses de urânio empobrecido foram utilizados duas vezes, a 16 e 22 de novembro de 2015, em operações de bombardeamento contra camiões cisterna do grupo extremista Daesh na Síria. Centenas de camiões foram destruídos naqueles bombardeamentos.

Segundo o major Josh Jacques, um porta-voz do comandante das forças militares no Médio Oriente, 5.265 obuses de 30 milímetros de urânio empobrecido foram utilizadas naquelas operações.

Foram disparados a partir de aviões de ataque para o solo em combinação com outros obuses incendiários.

Aquela combinação foi escolhida para "obter uma maior probabilidade de destruição da frota de camiões", explicou o major, acrescentando que os Estados Unidos deverão voltar a usá-los contra o grupo extremista.

Com Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.