sicnot

Perfil

Mundo

Laboratórios Disney criam método de transmissão de energia elétrica sem fios

A rede de laboratórios que apoia os estúdios de cinema Disney criou um método de transmissão de energia sem fios numa sala, que permite carregar aparelhos eletrónicos sem usar cabos.

O método, descrito na edição digital da revista científica PLOS ONE, foi testado numa sala especialmente construída para o efeito.

A divisão tinha paredes de alumínio, bem como teto e chão aparafusados a uma estrutura também de alumínio. Uma liga de cobre, com uma ranhura, foi colocada no centro da sala. Na ranhura foram inseridos condensadores (componentes que armazenam cargas elétricas).

Os peritos asseguram que conseguiram gerar, em segurança, ondas magnéticas que encheram o interior da sala, tornando possível o fornecimento de energia a vários telemóveis, ventoinhas e lâmpadas em simultâneo.

O método, sustentam, induziu correntes elétricas nas paredes, chão e teto metalizados da sala, que, por sua vez, geraram campos magnéticos que se difundiram no interior da divisão.

Tal permitiu que a energia fosse transmitida de forma eficiente a bobinas que funcionavam na mesma frequência de ressonância que a dos campos magnéticos.

As correntes elétricas induzidas foram canalizadas através de condensadores, que isolam potenciais campos elétricos prejudiciais.

"As nossas simulações mostram que podemos transmitir 1,9 kilowatts de energia (...), o equivalente para carregar 320 'smartphones' ao mesmo tempo", defendeu um dos criadores da tecnologia, Matthew J. Chabalko, citado num comunicado hoje divulgado pela Disney Research, a rede de laboratórios dos estúdios de cinema norte-americanos.

Para o principal investigador da Disney Research, Alanson Sample, o novo método permitirá que a energia elétrica se torne "tão omnipresente quanto o Wi-Fi [rede sem fios] ", podendo ser usado em robôs, telemóveis ou computadores portáteis sem ter que ser necessário substituir baterias e cabos.

A rede de laboratórios da Disney desenvolve investigação em computação gráfica, animação, processamento de vídeo, robótica, computação móvel e redes sem fios.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.