sicnot

Perfil

Mundo

Membro do AKP demite-se após avisar para guerra civil na Turquia

© Umit Bektas / Reuters

Um membro do partido AKP, no poder na Turquia, apresentou esta quinta-feira a sua demissão depois avisar para uma eventual "guerra civil" caso a reforma constitucional seja rejeitada no referendo previsto para abril.

O incidente ilustra a tensão na Turquia, dois meses antes da consulta popular sobre aquela reforma que aumenta os poderes do Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acusado pelos seus críticos de autoritarismo.

"Se não ultrapassarmos os 50%, se não ganharmos o referendo, devemos estar preparados para uma guerra civil", disse Ozan Erdem, vice-líder do AKP na província de Manisa.

A declaração provocou um alvoroço, com a oposição a acusar as autoridades de levantar o espectro do caos e adotar uma retórica ameaçadora.

Ozan Erdem apresentou hoje a demissão, afirmando que a suas declarações foram distorcidas.

"As minhas afirmações foram apresentadas de uma forma que não refletem aquilo que quis dizer", afirmou, citado pela agência de notícias Dogan.

A reforma constitucional desejada pelo Presidente Erdogan desencadeou uma apaixonada discussão política na Turquia, incluindo situações de conflito no parlamento.

O novo texto transfere o poder executivo para o chefe de Estado, que também poderá passar a intervir no campo legal.

Os líderes turcos acreditam que aquela reforma é necessária para dar à Turquia um Presidente forte, capaz de lidar com os desafios económicos e de segurança.

A oposição política defende que a reforma vai dar muito poder a Recep Tayyip Erdogan, a quem acusam de autoritarismo, especialmente desde a falhada tentativa de golpe de Estado em julho.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.