sicnot

Perfil

Mundo

Polanski quer voltar aos EUA para fechar caso de violação

© Kacper Pempel / Reuters

O cineasta franco-polaco Roman Polanski, de 83 anos, quer voltar aos Estados Unidos e pôr fim ao caso de violação de uma menor, que dura há 40 anos, desde que tenha garantias de não ser preso.

O caso que foi retomado nos últimos oito anos, depois de ter estado suspenso durante décadas, tem ensombrado o realizador, vencedor da Palma de Ouro em Cannes pelo filme "O Pianista" (2002).

Nas últimas semanas, Polanski teve que desistir de presidir à cerimónia da 42.ª edição dos Prémios Cesar, do cinema francês, por pressão de grupos feministas, noticiou a agência AFP.

O advogado do cineasta disse hoje à AFP que Polanski quer fazer valer um acordo amigável, redigido num documento sob sigilo, e que o então procurador-geral teria aceitado, segundo o qual, o cineasta cumpria 48 horas em prisão efetiva, pela violação de Samantha Gailey, de 13 anos, na época, em 1977.

Polanski já cumpriu 42 dias em Chino, numa prisão no Estado norte-americano da Califórnia. Segundo o causídico, na época, o juiz Laurence Rittenband, encarregado do caso, referindo-se ao acordo, declarou que o cineasta devia deve ficar preso até 50 anos, o que provocou a sua partida para a Europa.

"Após a confirmação dos conteúdos" do acordo amigável, os seus advogados também querem ver reconhecida a decisão do Supremo Tribunal polaco, que cancelou, em dezembro último, um pedido de extradição do cineasta para os Estados Unidos, segundo disseram à AFP.Se o juiz Gordon, de Los Angeles, reconhecer o acordo amigável e a recusa de extradição pelo Supremo polaco, "Roman pode regressar a Los Angeles e ao tribunal, sem medo de ser preso", disse o advogado Harland Braun.

O realizador franco-polaco é acusado de ter drogado, obrigado a beber e violado Samantha Gailey Geimer, no dia 10 de março de 1977 na residência que pertencia ator Jack Nicholson.O realizador reconheceu ter tido uma relação sexual com Samantha, mas negou tê-la violado. No acordo amigável Polanski admitiu ter tido sexo ilegal com uma menor.

Lusa

  • Roman Polanski não será extraditado para os EUA após caso de abuso de menor
    0:34

    Cultura

    O realizador de cinema Roman Polanski mostrou-se esta sexta-feira muito feliz com a decisão da Justiça polaca de não o extraditar para os Estados Unidos. O tribunal de Cracóvia considerou que as autoridades norte-americanas violaram, de forma grave, as regras de um julgamento imparcial, no caso que resultou na condenação de Polanski por abuso sexual de uma menor, há quase 40 anos, na Califórnia. Na altura, depois de 42 dias detido, Polanski saiu sob caução e fugiu dos Estados Unidos. Agora, aos 82 anos, diz que o pesadelo finalmente acabou.

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.