sicnot

Perfil

Mundo

Toyota chama à revisão todas as viaturas vendidas do modelo ecológico Mirai

© Aly Song / Reuters

A Toyota chamou à revisão as mais de 2.800 unidades do seu modelo ecológico Mirai, vendidas em todo o mundo, devido a um problema de sobrecarga de voltagem, confirmou esta quinta-feira o fabricante japonês à agência Efe.

A chamada às oficinas afeta as 2.843 unidades do modelo Mirai fabricadas entre novembro de 2014 e dezembro de 2016 e vendidas no Japão (1.500), Estados Unidos (1.200), Europa (140) e Emirados Árabes Unidos (3).

Segundo a Toyota, o Toyota Mirai é o primeiro automóvel sedan movido a hidrogénio de produção em série do mundo.

A Toyota, que não informou de qualquer incidente relacionado com o defeito detetado, explicou que o problema de sobrecarga de voltagem leva à paragem do sistema de bateria do combustível, ainda que a direção assistida e os travões funcionem normalmente.

Os distribuidores da Toyota vão começar a enviar notificações aos proprietários afetados a partir de meados deste mês para que se dirijam aos concessionários automóveis para atualizar o 'software' do sistema que corrige o mau funcionamento da bateria sem qualquer custo.

No caso dos Estados Unidos, os avisos vão começar a chegar a partir de abril, explicou o fabricante automóvel japonês.

A Toyota começou a comercializar o seu veículo ecológico de emissões zero Mirai em dezembro de 2014 no Japão, mas alargou as vendas mais tarde aos mercados globais.

A empresa nipónica tem apostado nos veículos com bateria de hidrogénio, considerando-a a melhor opção dentro dos modelos híbridos, esperando vender mais de 30.000 unidades até ao ano 2020.

A falta de postos de abastecimento e a infraestrutura necessária para o recarregamento continua a ser, contudo, um dos principais obstáculos à sua proliferação no mercado.

Lusa

  • TAP recruta mais assistentes de bordo
    2:40

    Economia

    A TAP assegura que, até ao final de outubro, os problemas com falta de tripulação vão terminar. Até ao final do ano vão ser contratados novos assistentes de bordo, mas o sindicato diz que não chega.