sicnot

Perfil

Mundo

Paris e Berlim pedem a Moscovo apoio para as negociações de Genebra sobre a Síria

Jean-Marc Ayrault e Sigmar Gabriel

© Thilo Schmuelgen / Reuters

França e Alemanha pediram hoje à Rússia para apoiar as negociações entre o regime sírio e a oposição em Genebra e reforçaram que a única solução possível para esta guerra é a política.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros francês e alemão, Jean-Marc Ayrault e Sigmar Gabriel, respetivamente, falaram aos jornalistas após um encontro com representantes de dezenas de países, entre os quais a Rússia, durante a reunião de chefes da diplomacia do G20 (países desenvolvidos e emergentes), que decorre desde quinta-feira em Bona, na Alemanha.

"A opção política é a única" possível na Síria, afirmou Ayrault, que se manifestou convencido de que, sobretudo a Rússia pode ter "um papel construtivo" se levar o Presidente sírio, Bashar al-Assad, à mesa das negociações com a oposição, na próxima semana, em Genebra.

A Rússia e o Irão, acrescentou, podem convencer o regime sírio a não considerar como terroristas todos os diferentes grupos da oposição, o que impossibilita na prática qualquer tipo de diálogo.

Sobre o diálogo político, Ayrault referiu apenas que o objetivo é ter um país unido, estável e em paz, e referiu que a Europa não contribuirá para a reconstrução da Síria após a guerra "com o atual regime".

Por seu lado, o chefe da diplomacia alemã referiu a importância de conseguir o apoio de Moscovo para o processo de Genebra, que, para ser um sucesso, precisa de uma "base sólida de apoio internacional".

Gabriel considerou o processo de Genebra como uma via complementar às conversações sobre a Síria que se estão a realizar em Astana e Nova Iorque nos últimos meses.

O ministro francês referiu que o regime sírio só sobrevive graças ao apoio militar do Irão e da Rússia e que não conseguirá "reconquistar e estabilizar todo o território" do país.

Ayrault considerou ainda que o prolongamento da guerra civil apenas alimenta "o ódio e o ressentimento e reforça o poder dos terroristas, quando a prioridade de todas as partes é acabar com o grupo extremista Estado Islâmico.

Os dois ministros reuniram-se ainda com o seu homólogo norte-americano, Rex Tillerson, mas manifestaram um otimismo cauteloso sobre a vontade da administração Trump em envolver-se na questão síria.

Ayrault considerou que a reunião "foi útil" e que é importante "um diálogo com os Estados Unidos sobre a questão síria e sobre outras questões".

Por seu lado, Gabriel disse que Tillerson "participou vigorosamente" na discussão, que também envolveu responsáveis de Itália, Reino Unido, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Qatar, Jordânia e União Europeia.

A guerra na Síria começou em 2011 e desde então já morreram mais de 320 mil pessoas, enquanto 10 milhões foram forçadas a sair das suas casas.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.