sicnot

Perfil

Mundo

Paris e Berlim pedem a Moscovo apoio para as negociações de Genebra sobre a Síria

Jean-Marc Ayrault e Sigmar Gabriel

© Thilo Schmuelgen / Reuters

França e Alemanha pediram hoje à Rússia para apoiar as negociações entre o regime sírio e a oposição em Genebra e reforçaram que a única solução possível para esta guerra é a política.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros francês e alemão, Jean-Marc Ayrault e Sigmar Gabriel, respetivamente, falaram aos jornalistas após um encontro com representantes de dezenas de países, entre os quais a Rússia, durante a reunião de chefes da diplomacia do G20 (países desenvolvidos e emergentes), que decorre desde quinta-feira em Bona, na Alemanha.

"A opção política é a única" possível na Síria, afirmou Ayrault, que se manifestou convencido de que, sobretudo a Rússia pode ter "um papel construtivo" se levar o Presidente sírio, Bashar al-Assad, à mesa das negociações com a oposição, na próxima semana, em Genebra.

A Rússia e o Irão, acrescentou, podem convencer o regime sírio a não considerar como terroristas todos os diferentes grupos da oposição, o que impossibilita na prática qualquer tipo de diálogo.

Sobre o diálogo político, Ayrault referiu apenas que o objetivo é ter um país unido, estável e em paz, e referiu que a Europa não contribuirá para a reconstrução da Síria após a guerra "com o atual regime".

Por seu lado, o chefe da diplomacia alemã referiu a importância de conseguir o apoio de Moscovo para o processo de Genebra, que, para ser um sucesso, precisa de uma "base sólida de apoio internacional".

Gabriel considerou o processo de Genebra como uma via complementar às conversações sobre a Síria que se estão a realizar em Astana e Nova Iorque nos últimos meses.

O ministro francês referiu que o regime sírio só sobrevive graças ao apoio militar do Irão e da Rússia e que não conseguirá "reconquistar e estabilizar todo o território" do país.

Ayrault considerou ainda que o prolongamento da guerra civil apenas alimenta "o ódio e o ressentimento e reforça o poder dos terroristas, quando a prioridade de todas as partes é acabar com o grupo extremista Estado Islâmico.

Os dois ministros reuniram-se ainda com o seu homólogo norte-americano, Rex Tillerson, mas manifestaram um otimismo cauteloso sobre a vontade da administração Trump em envolver-se na questão síria.

Ayrault considerou que a reunião "foi útil" e que é importante "um diálogo com os Estados Unidos sobre a questão síria e sobre outras questões".

Por seu lado, Gabriel disse que Tillerson "participou vigorosamente" na discussão, que também envolveu responsáveis de Itália, Reino Unido, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Qatar, Jordânia e União Europeia.

A guerra na Síria começou em 2011 e desde então já morreram mais de 320 mil pessoas, enquanto 10 milhões foram forçadas a sair das suas casas.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.