sicnot

Perfil

Mundo

Maduro pede a Donald Trump que não apoie políticas contra a Venezuela

Reuters

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu no domingo ao seu homólogo norte-americano, Donald Trump, que não se deixe levar por políticas "equivocadas" contra o país.

"Presidente Donald Trump, fala-lhe um revolucionário, guerreiro, combatente, que não comunga com as suas doutrinas económicas, sociais e políticas, mas que entende que você ganhou de maneira contundente à ex-candidata Hillary Clinton, que você é o Presidente dos Estados Unidos, e que lhe estão a impor todas as políticas fracassadas e ilegais da era de (Barack) Obama e da era de (George W.) Bush contra a Venezuela", disse.

Nicolás Maduro falava durante o programa radiofónico e televisivo "Em Contacto com Maduro", transmitido pela televisão estatal venezuelana, durante o qual fez referência às recentes sanções económicas impostas pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos contra o vice-presidente venezuelano, Tarek El Aissami."A Venezuela quer relações de respeito, num quadro de igualdade, relações de comunicação, de diálogo e de paz com os Estados Unidos", disse.

Maduro advertiu Trump que "milhões de dólares" estão a ser pagos pelo Departamento de Estado para o "conduzir a uma política equivocada contra a Venezuela".

"Nós somos homens de paz, de concórdia. Abra os olhos, não se deixe manipular por políticas contra a Venezuela", disse.Por outro lado, anunciou que autorizou o vice-presidente a avançar com todas as ações legais em tribunais nacionais e internacionais, incluindo os Estados Unidos, para enfrentar as acusações, sublinhando que "temos a razão e temos as provas do nosso lado".

"Eu autorizei-o (a Tarek El Aissami) a processar quem ousar levantar infâmias (...), que exerça o direito de defender a sua honra e da sua família. É um homem honesto, lutador, guerreiro, que propiciou os golpes maiores (...) que se deram contra o narcotráfico em toda a história da Venezuela", disse.A 13 de fevereiro os Estados Unidos impuseram sanções financeiras contra o número dois do regime, o vice-Presidente Tarek El Aissami, que acusam de ter "facilitado a entrega de drogas" em troca de pagamentos.

As sanções são o "culminar de vários anos de investigação aos principais traficantes de drogas para os Estados Unidos e demonstram que a influência e o poder não protegem aqueles que se envolvem em atividades ilegais", refere, em comunicado, o Departamento do Tesouro.Tarek El Aissami, 42 anos, um dos líderes mais influentes do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), no poder desde 1999, foi nomeado para a vice-presidência do país em janeiro.

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.