sicnot

Perfil

Mundo

EUA vão enviar 400 soldados suplementares para a Síria

Os Estados Unidos vão enviar 400 soldados suplementares para a Síria para apoiar a ofensiva contra Raqa (centro-norte), reduto do grupo extremista Estado Islâmico (EI) no território sírio, indicou um porta-voz militar americano.

"São forças temporárias", indicou um porta-voz militar americano em Bagdad (Iraque), o coronel John Dorrian, confirmando informações avançadas pelo jornal The New York Times.O mesmo representante acrescentou que as forças americanas destacadas a longo termo na Síria mantêm-se no nível previsto, ou seja, 500 elementos.

Os extremistas do EI estão a enfrentar ofensivas simultâneas no norte da Síria conduzidas pelas forças governamentais, pelos rebeldes sírios apoiados pela Turquia e por uma aliança de combatentes árabes e curdos apoiada pelos Estados Unidos.

Desde outubro de 2015, soldados americanos das forças especiais estão na Síria para aconselhar e treinar forças locais que combatem contra os 'jihadistas', nomeadamente a aliança árabe-curda das forças democráticas sírias.Entre estas quatro centenas de militares suplementares encontram-se fuzileiros e soldados das forças especiais.

A nova administração do Presidente Donald Trump está avaliar um plano para vencer os 'jihadistas'.Segundo a imprensa americana, o plano deverá propor o envio de artilharia, mas também forças especiais adicionais e helicópteros de ataque.Entre 3.000 a 4.000 'jihadistas' encontram-se entrincheirados em Raqa, cidade com cerca de 300.000 habitantes, de acordo com fontes militares americanas.Também relacionado com as forças americanas destacadas no exterior, o chefe das tropas americanas no Médio Oriente, o general Joseph Votel, pronunciou-se hoje favoravelmente no Congresso por um reforço da presença militar dos Estados Unidos no Afeganistão, o que representaria a inversão da estratégia de decréscimo adotada nos últimos anos.

Questionado sobre medidas para ajudar o governo afegão a recuperar vantagem sobre os rebeldes talibãs, o general considerou que "isso implica forças [Notes:americanas] suplementares para que a missão de aconselhamento e de assistência seja mais eficaz".

No início de fevereiro, o comandante das forças americanas no Afeganistão, o general John Nicholson, já tinha apelado a um reforço das tropas da NATO naquele país, mencionando o "impasse" em que se encontram as forças afegãs face aos talibãs.As posições de Donald Trump sobre o Afeganistão não são conhecidas.

O novo Presidente norte-americano pouco falou sobre esta matéria durante a campanha eleitoral.O antecessor Barack Obama prometeu retirar as tropas americanas do Afeganistão, mas não conseguiu manter a sua promessa por causa do ressurgimento dos talibãs.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Hotel inovador na Madeira
    2:23

    Economia

    O grupo Pestana está a construir no Funchal, um novo e único hotel, através de uma técnica inovadora que quase não utiliza cimento. Este vai ser o primeiro hotel do mundo construído com um sistema modular desenvolvido em Portugal. O hotel vai ter 77 quartos e vai ficar construído em apenas seis meses. O maior grupo hoteleiro português admite recorrer a este novo sistema em futuros hotéis.

  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.