sicnot

Perfil

Mundo

EUA vão enviar 400 soldados suplementares para a Síria

Os Estados Unidos vão enviar 400 soldados suplementares para a Síria para apoiar a ofensiva contra Raqa (centro-norte), reduto do grupo extremista Estado Islâmico (EI) no território sírio, indicou um porta-voz militar americano.

"São forças temporárias", indicou um porta-voz militar americano em Bagdad (Iraque), o coronel John Dorrian, confirmando informações avançadas pelo jornal The New York Times.O mesmo representante acrescentou que as forças americanas destacadas a longo termo na Síria mantêm-se no nível previsto, ou seja, 500 elementos.

Os extremistas do EI estão a enfrentar ofensivas simultâneas no norte da Síria conduzidas pelas forças governamentais, pelos rebeldes sírios apoiados pela Turquia e por uma aliança de combatentes árabes e curdos apoiada pelos Estados Unidos.

Desde outubro de 2015, soldados americanos das forças especiais estão na Síria para aconselhar e treinar forças locais que combatem contra os 'jihadistas', nomeadamente a aliança árabe-curda das forças democráticas sírias.Entre estas quatro centenas de militares suplementares encontram-se fuzileiros e soldados das forças especiais.

A nova administração do Presidente Donald Trump está avaliar um plano para vencer os 'jihadistas'.Segundo a imprensa americana, o plano deverá propor o envio de artilharia, mas também forças especiais adicionais e helicópteros de ataque.Entre 3.000 a 4.000 'jihadistas' encontram-se entrincheirados em Raqa, cidade com cerca de 300.000 habitantes, de acordo com fontes militares americanas.Também relacionado com as forças americanas destacadas no exterior, o chefe das tropas americanas no Médio Oriente, o general Joseph Votel, pronunciou-se hoje favoravelmente no Congresso por um reforço da presença militar dos Estados Unidos no Afeganistão, o que representaria a inversão da estratégia de decréscimo adotada nos últimos anos.

Questionado sobre medidas para ajudar o governo afegão a recuperar vantagem sobre os rebeldes talibãs, o general considerou que "isso implica forças [Notes:americanas] suplementares para que a missão de aconselhamento e de assistência seja mais eficaz".

No início de fevereiro, o comandante das forças americanas no Afeganistão, o general John Nicholson, já tinha apelado a um reforço das tropas da NATO naquele país, mencionando o "impasse" em que se encontram as forças afegãs face aos talibãs.As posições de Donald Trump sobre o Afeganistão não são conhecidas.

O novo Presidente norte-americano pouco falou sobre esta matéria durante a campanha eleitoral.O antecessor Barack Obama prometeu retirar as tropas americanas do Afeganistão, mas não conseguiu manter a sua promessa por causa do ressurgimento dos talibãs.

Lusa

  • Tragédia de Pedrógão Grande, seis meses depois

    País

    O incêndio que deflagrou há seis meses no concelho de Pedrógão Grande e que alastrou a concelhos vizinhos fez 66 mortos e 253 feridos, sete dos quais graves, destruiu meio milhar de casas e quase 50 empresas. Quarenta e sete das vítimas mortais seguiam em viaturas, no dia 17 de junho, e ficaram cercadas pelas chamas na EN (estrada nacional) 236-1, entre Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos ou em acessos a esta via.

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC