sicnot

Perfil

Mundo

Mundo enfrenta a maior crise humanitária desde 1945

© Siegfried Modola / Reuters

O coordenador dos serviços humanitários das Nações Unidas disse esta sexta-feira que o mundo enfrenta a maior crise humanitária desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a enfrentar a fome em quatro países do mundo.

"Sem esforços globais coletivos e coordenados, as pessoas simplesmente vão morrer de fome" e "muitos mais vão sofrer e morrer de doenças", disse Stephen O'Brien no Conselho de Segurança da ONU.

O responsável humanitário das Nações Unidas pediu uma injeção imediata de fundos para o Iémen, Sudão do Sul, Somália e para o nordeste da Nigéria.

1 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

2 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

3 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

4 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

5 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

6 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

7 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

8 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

9 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

10 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

11 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

12 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

13 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

14 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

15 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

Segundo Stephen O'Brien, a maior crise humanitária está no Iémen, onde dois terços da população (18,8 milhões de pessoa) precisa de ajuda e mais de sete milhões não sabem de onde virá a próxima refeição.

O mesmo responsável disse ainda que atualmente há mais três milhões de pessoas com fome crónica do que em janeiro.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14