sicnot

Perfil

Mundo

Mundo enfrenta a maior crise humanitária desde 1945

© Siegfried Modola / Reuters

O coordenador dos serviços humanitários das Nações Unidas disse esta sexta-feira que o mundo enfrenta a maior crise humanitária desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a enfrentar a fome em quatro países do mundo.

"Sem esforços globais coletivos e coordenados, as pessoas simplesmente vão morrer de fome" e "muitos mais vão sofrer e morrer de doenças", disse Stephen O'Brien no Conselho de Segurança da ONU.

O responsável humanitário das Nações Unidas pediu uma injeção imediata de fundos para o Iémen, Sudão do Sul, Somália e para o nordeste da Nigéria.

1 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

2 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

3 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

4 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

5 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

6 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

7 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

8 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

9 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

10 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

11 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

12 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

13 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

14 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

15 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

Segundo Stephen O'Brien, a maior crise humanitária está no Iémen, onde dois terços da população (18,8 milhões de pessoa) precisa de ajuda e mais de sete milhões não sabem de onde virá a próxima refeição.

O mesmo responsável disse ainda que atualmente há mais três milhões de pessoas com fome crónica do que em janeiro.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15