sicnot

Perfil

Mundo

Mundo enfrenta a maior crise humana desde a criação da ONU

Mundo enfrenta a maior crise humana desde a criação da ONU

O mundo enfrenta a maior crise humana desde 1945. O coordenador dos serviços humanitários da ONU, Stephen O'Brien, disse no Conselho de Segurança que os países que vivem as situações mais graves de fome têm em comum o facto de estarem em conflito e que a comunidade internacional tem a possibilidade de acabar com a miséria e sofrimento de países como o Iémen e a Somália.

O coordenador dos serviços humanitários das Nações Unidas disse hoje que o mundo enfrenta a maior crise humanitária desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a enfrentar a fome em quatro países do mundo.

"Sem esforços globais coletivos e coordenados, as pessoas simplesmente vão morrer de fome" e "muitos mais vão sofrer e morrer de doenças", disse Stephen O'Brien no Conselho de Segurança da ONU.

O responsável humanitário das Nações Unidas pediu uma injeção imediata de fundos para o Iémen, Sudão do Sul, Somália e para o nordeste da Nigéria.

Segundo Stephen O'Brien, a maior crise humanitária está no Iémen, onde dois terços da população (18,8 milhões de pessoa) precisa de ajuda e mais de sete milhões não sabem de onde virá a próxima refeição.

O mesmo responsável disse ainda que atualmente há mais três milhões de pessoas com fome crónica do que em janeiro.

Com Lusa

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "Situação humanitária dos civis em Ghouta é aterradora"
    0:49

    Mundo

    O enviado especial da ONU para a Síria lançou esta sexta-feira um novo apelo a um cessar-fogo. O responsável está particularmente preocupado com a situação da população civil e diz que é preciso evitar que se repita em Ghouta o que se passou em Alepo.

  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05
  • Instantes de uma noite de futebol europeu
    0:41
  • Não dá mais, Brasil!
    18:00