sicnot

Perfil

Mundo

Sete esqueletos humanos encontrados em prisão venezuelana

As autoridades venezuelanas iniciaram as investigações para determinar a origem de sete esqueletos humanos encontrados na Penitenciária Geral da Venezuela, uma das principais prisões do país, situada no Estado de Guárico, a sudoeste de Caracas.

O anúncio foi feito pela ministra venezuelana dos Serviços Penitenciários, Iris Varela, através da sua conta na rede social Twitter, tendo explicado que os esqueletos foram encontrados durante escavações naquela prisão, que desde 2016 está a ser adaptada pelas autoridades para implementar um novo modelo do sistema prisional.

No âmbito do processo de transformação da prisão, a Penitenciária Geral da Venezuela encontra-se desocupada há vários meses.Além dos esqueletos humanos, segundo a ministra, durante rusgas à prisão as autoridades encontraram um carregamento de armas de fogo.

As investigações estão a cargo do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (Cicpc), antiga Polícia Técnica Judiciária da Venezuela.

Segundo o Observatório Venezuelano de Prisões, 173 presos foram assassinados nas cadeias da Venezuela em 2016, ano em que outros 268 detidos ficaram feridos em rixas e outros conflitos prisionais.

Lusa

  • Tragédia de Pedrógão Grande, seis meses depois

    País

    O incêndio que deflagrou há seis meses no concelho de Pedrógão Grande e que alastrou a concelhos vizinhos fez 66 mortos e 253 feridos, sete dos quais graves, destruiu meio milhar de casas e quase 50 empresas. Quarenta e sete das vítimas mortais seguiam em viaturas, no dia 17 de junho, e ficaram cercadas pelas chamas na EN (estrada nacional) 236-1, entre Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos ou em acessos a esta via.

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC