sicnot

Perfil

Mundo

"Não gosto de violência"

Carlos, o Chacal, o fugitivo mais procurado do mundo nos anos 1970 e 1980, declarou não gostar de violência, ao começar a ser julgado por um atentado bombista cometido em Paris há 40 anos. O condenado de 67 anos, mais magro e grisalho, ostentava um sorriso enquanto era levado para a sala de um tribunal da capital francesa, onde cumpre uma pena de prisão perpétua por outros crimes.

Como sempre, vestido de forma imaculada e com um certo pendor dramático, beijou a mão da sua advogada, Isabelle Coutant-Peyre, que é também a sua companheira, antes de mandar beijos para a imprensa no local.

Embora as atenções em França estejam agora centradas na ameaça 'jihadista', depois de uma série de ataques sangrentos, o julgamento faz remontar a uma época em que a Europa foi repetidamente palco de atentados perpetrados por grupos simpatizantes da causa palestiniana.

Carlos, um cidadão venezuelano cujo verdadeiro nome é Ilyich Ramirez Sanchez, foi batizado como "Carlos, o Chacal" pela imprensa quando se encontrava a monte e conseguiu despistar os serviços de segurança internacionais.A alcunha teve origem numa personagem ficcional, um terrorista do romance de Frederick Forsyth "O Dia do Chacal", publicado em 1971 e que foi adaptado ao cinema com grande êxito.

Detido pela polícia francesa em 1994, na capital sudanesa, Cartum, o homem que se descreve como um "revolucionário profissional" já está a cumprir uma pena de prisão perpétua pelo assassínio de dois polícias em Paris, em 1975, e pelo de um antigo camarada seu que considerava tê-lo traído.Foi também dado como culpado de quatro atentados bombistas em Paris e Marselha em 1982 e 1983, alguns tendo como alvo comboios, que fizeram um total de 11 mortos e quase 150 feridos.

"Ninguém na resistência palestiniana executou mais pessoas do que eu", declarou hoje, logo acrescentando: "Mas eu fui o único que sobreviveu. Em todas as lutas há vítimas colaterais, infelizmente".

O célebre criminoso, que reivindicou pessoalmente a autoria de 80 mortes e 1500 feridos para a sua organização, disse ainda: "Adoro pessoas. Eu sou uma boa pessoa, não gosto de violência".

Durante as próximas três semanas, Carlos, o Chacal será julgado por mais um ataque bombista, desta vez perpetrado na Drugstore Publicis, uma movimentada loja outrora situada no bairro de Saint-Germain-des-Prés, no coração da 'Rive Gauche' parisiense.

Ao final da tarde de 15 de setembro de 1974, uma granada foi atirada para a entrada da loja, matando dois homens e ferindo mais 34 pessoas.Este julgamento destina-se sobretudo a esclarecer melhor o interesse de Carlos em vitimar aquelas pessoas.Acusado de homicídios de natureza terrorista, Carlos, o Chacal nega qualquer envolvimento neste ataque.

Lusa


  • O que o mundo diz sobre o busto de Cristiano Ronaldo

    Desporto

    O Aeroporto Cristiano Ronaldo foi inaugurado esta quarta-feira. A notícia foi dada pelos meios de comunicação de todo o mundo, que não deixaram passar o busto do jogador português, apresentado pelo próprio. A estátua foi amplamente comentada e analisada, com palavras como "terrível", "duvidoso" e "bizarro".

    Ana Rute Carvalho

  • Mulher detida ao tentar atropelar polícias junto ao Capitólio, em Washington

    Mundo

    Agentes da polícia abriram fogo contra uma mulher (e não um homem, ao contrário do que inicialmente se disse) que conduzia um carro perto do Capitólio e tentava atropelá-los, segundo o Departamento da Polícia Metropolitana de Washington. A mulher foi detida mas a polícia garante que não se tratou de um ato terrorista.

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.