sicnot

Perfil

Mundo

"Não gosto de violência"

Carlos, o Chacal, o fugitivo mais procurado do mundo nos anos 1970 e 1980, declarou não gostar de violência, ao começar a ser julgado por um atentado bombista cometido em Paris há 40 anos. O condenado de 67 anos, mais magro e grisalho, ostentava um sorriso enquanto era levado para a sala de um tribunal da capital francesa, onde cumpre uma pena de prisão perpétua por outros crimes.

Como sempre, vestido de forma imaculada e com um certo pendor dramático, beijou a mão da sua advogada, Isabelle Coutant-Peyre, que é também a sua companheira, antes de mandar beijos para a imprensa no local.

Embora as atenções em França estejam agora centradas na ameaça 'jihadista', depois de uma série de ataques sangrentos, o julgamento faz remontar a uma época em que a Europa foi repetidamente palco de atentados perpetrados por grupos simpatizantes da causa palestiniana.

Carlos, um cidadão venezuelano cujo verdadeiro nome é Ilyich Ramirez Sanchez, foi batizado como "Carlos, o Chacal" pela imprensa quando se encontrava a monte e conseguiu despistar os serviços de segurança internacionais.A alcunha teve origem numa personagem ficcional, um terrorista do romance de Frederick Forsyth "O Dia do Chacal", publicado em 1971 e que foi adaptado ao cinema com grande êxito.

Detido pela polícia francesa em 1994, na capital sudanesa, Cartum, o homem que se descreve como um "revolucionário profissional" já está a cumprir uma pena de prisão perpétua pelo assassínio de dois polícias em Paris, em 1975, e pelo de um antigo camarada seu que considerava tê-lo traído.Foi também dado como culpado de quatro atentados bombistas em Paris e Marselha em 1982 e 1983, alguns tendo como alvo comboios, que fizeram um total de 11 mortos e quase 150 feridos.

"Ninguém na resistência palestiniana executou mais pessoas do que eu", declarou hoje, logo acrescentando: "Mas eu fui o único que sobreviveu. Em todas as lutas há vítimas colaterais, infelizmente".

O célebre criminoso, que reivindicou pessoalmente a autoria de 80 mortes e 1500 feridos para a sua organização, disse ainda: "Adoro pessoas. Eu sou uma boa pessoa, não gosto de violência".

Durante as próximas três semanas, Carlos, o Chacal será julgado por mais um ataque bombista, desta vez perpetrado na Drugstore Publicis, uma movimentada loja outrora situada no bairro de Saint-Germain-des-Prés, no coração da 'Rive Gauche' parisiense.

Ao final da tarde de 15 de setembro de 1974, uma granada foi atirada para a entrada da loja, matando dois homens e ferindo mais 34 pessoas.Este julgamento destina-se sobretudo a esclarecer melhor o interesse de Carlos em vitimar aquelas pessoas.Acusado de homicídios de natureza terrorista, Carlos, o Chacal nega qualquer envolvimento neste ataque.

Lusa


  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14