sicnot

Perfil

Mundo

Porque tantas pessoas assumiram que a mãe asiática era a ama?

Rita Ferro

Jornalista

Um professor caucasiano estava a ser entrevistado pela BBC sobre as relações entre a Coreia do Norte e do Sul quando os dois filhos entraram na sala seguidos de uma mulher asiática que tentou salvar a situação. Todos pensaram que era a ama.

É possível que já tenha visto este vídeo que se tornou viral na semana passada. No Twitter e no Facebook, imediatamente começaram a chover criticas porque a "ama" parecia assustada e temer, depois do episódio, pelo seu posto de trabalho.

Um artigo de Time.com chegou a chamá-la de "ama frenética" e um tablóide britânico de "ama horrorizada". O mundo pensou que a mulher no vídeo era a ama e afinal é Jung-a Kim, coreana, mulher do professor e mãe das crianças em questão.

A dúvida, ou preconceito, é fácil de explicar mas, para muitos, inaceitável nos tempos de hoje. Parece existir um estereótipo em que as mulheres asiáticas [e africanas] são vistas como subservientes, obedientes a algum tipo de poder.

A história não é nova. Uma mulher negra chegou a escrever um artigo a falar sobre o que sentia quando levava as filhas ao parque e lhe perguntavam "há quanto tempo trabalha para a família?"

Há alguns anos atrás, Nicole Blades escreveu um artigo para o já extinto site xoJane artigo intitulado "Não! Eu não sou a ama, sou apenas uma mãe negra, obrigada." No texto incentivava os leitores de famílias mestiças a usar o hashtag #notthenanny para alertar para o preconceito. Hashtag que voltou a ser recordado e utilizado agora nas reações ao vídeo da BBC.

Depois do episódio, o pivô da NBC pediu autorização a Robert E. Kelly no Twitter para publicar o momento.

O que isso significaria? Voltar a passá-lo na BBC TV, ou apenas aqui no Twitter? Este tipo de coisa é daquelas que vai 'viral' e se torna estranho?

Mal sabia o professor que este vídeo iria correr o mundo e causar tanta discussão.

  • "Estamos vivos"
    11:41

    Reportagem Especial

    Os incêndios de 15 de outubro provocaram sete milhões de euros de prejuízos em empresas da região Norte. Castelo de Paiva foi o concelho mais atingido, o fogo destruiu várias casas e empresas que davam trabalho a cerca de 200 pessoas. Um mês depois do incêndio, a Reportagem Especial da SIC foi ver o que está a ser feito para ajudar a população.

  • Administrador recebia 420 mil € por ano quando aldeamento passava dificuldades
    4:39

    Operação Marquês

    A Caixa Geral de Depósitos tentou cortar para metade o salário do presidente do Conselho de Administração de Vale do Lobo, mas não conseguiu. Diogo Gaspar Ferreira ganhava 420 mil euros por ano, quando o empreendimento estava enterrado em dívidas. A Autoridade Tributária estima também que o arguido da Operação Marquês não tenha declarado 400 mil euros pagos pelo aldeamento.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27
  • Político oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Peru faz aparição especial na Casa Branca
    1:10

    Mundo

    Os norte-americanos estão a preparar-se para o tradicional Dia de Ação de Graças, assinalado na próxima quinta-feira. O tradicional peru fez esta terça-feira uma aparição especial na sala de conferências de imprensa, na Casa Branca, em Washington. O peru é o prato tradicional no Dia de Ação de Graças, uma data de louvor a Deus, que remonta ao século XVII e que é celebrada na quarta quinta-feira de novembro, sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá.

  • Sara Sampaio brilha em Xangai
    1:50