sicnot

Perfil

Mundo

Número de presos na Europa baixa, mas sobrelotação mantém-se

© Suhaib Salem / Reuters

O número de pessoas detidas na Europa baixou, mas o problema da sobrelotação mantém-se em um terço das prisões europeias, fez saber o Conselho da Europa num relatório publicado hoje.

"O número de pessoas detidas nas prisões europeias registou uma queda de 6,8% entre 2014 e 2015", para cerca de 1,4 milhões de pessoas, de acordo com o estudo, baseado nas estatísticas penais dos Estados-membros da instituição pan-europeia para 2015.

"Na Europa ocidental, o nível de violência é já muito baixo. Não acredito que o número de detidos venha a baixar muito mais relativamente ao nível atual", comentou Marcelo Aebi, da Escola de Ciências Criminais da Universidade de Lausanne, que dirigiu o estudo.

Os países com as mais altas taxas de encarceração estão no leste da Europa, com a Rússia ultrapassando de longe a Lituânia, Geórgia, Azerbaijão, Letónia e Turquia. Inversamente, a lista dos países com menor número de detidos é liderada pela Holanda, que é seguida pela Finlândia, Dinamarca e Suécia.

A Ucrânia e a Polónia não foram incluídas no estudo, uma vez que não transmitiram os dados ao Conselho da Europa, que reúne um total de 47 países europeus.
Não obstante a baixa do número de detidos, o problema da sobrelotação das prisões coloca-se em 15 países, com a Macedónia à cabeça, logo seguida por Espanha, Hungria, Bélgica, Albânia e França.

Portugal era em 2015 dos países europeus com maior sobrelotação das prisões, mas também dos que tinha menos presos preventivos. Portugal tinha 113 detidos por cada 100 lugares disponíveis, o mesmo número que França e abaixo apenas da Macedónia (138), Hungria, Bélgica, Espanha e Albânia e Moldávia.

O problema melhorou em vários países e agravou-se noutros, pelo que "não foi alcançado nenhum progresso ao nível pan-europeu", lamenta o Conselho da Europa neste relatório anual.

O trabalho dá conta de uma tendência de diminuição das penas curtas de prisão efetiva em toda a Europa. Os detidos com penas de menos de um ano representavam 13,5% do total em 2015, contra 15% no ano anterior.
"A diminuição do número de encarceramentos na Europa é uma evolução positiva.

Um recurso acrescido a sanções alternativas não se repercute no aumento das taxas de criminalidade, mas pode ajudar à reintegração dos delinquentes e à resolução do problema da sobrelotação prisional", considerou o secretário-geral do Conselho da Europa, Thorbjorn Jagland.

Nos países estudados, o custo médio da detenção de uma pessoa por dia em 2014 ascendia a 52 euros, sendo de 41,22 euros em Portugal.

Em França, por exemplo, o custo médio ascendia a 103 euros, em São Marino -- com o montante mais elevado - a 480,81 euros e na Geórgia -- o mais baixo -- a 5,66 euros, sendo que o trabalho não considera as diferenças relativas ao custo de vida nos diferentes países.


Lusa

  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52