sicnot

Perfil

Mundo

ONU quer investigação às atrocidades no Sudão do Sul

© Siegfried Modola / Reuters

A comissão criada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU para vigiar o respeito das liberdades fundamentais no Sudão do Sul pediu esta terça-feira a ampliação do seu mandato para poder investigar as atrocidades sistemáticas cometidas no país.

Criada em março de 2016 para verificar as violações dos direitos humanos no Sudão do Sul após três anos de guerra civil, a comissão não recebeu um mandato específico nem os recursos para uma investigação aprofundada.

Dado o registo de atrocidades em massa e a constatação de que a situação continua a degradar-se, os três membros da comissão decidiram pedir o alargamento do mandato.

"A comissão recomenda o lançamento imediato de uma investigação internacional independente, sob os auspícios das Nações Unidas, sobre os crimes mais graves, incluindo os abusos sexuais, cometidos no Sudão do Sul desde dezembro de 2013", refere o relatório que a comissão apresentou esta terça-feira ao Conselho de Direitos Humanos.

O texto explicita que a comissão deve recolher e preservar provas de violações dos direitos humanos e de abusos da lei humanitária internacional, para as poder apresentar em qualquer instância judicial.

A comissão pede ainda a criação de um tribunal com juízes locais e internacionais para julgar e acabar com a impunidade dos culpados.

1 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

2 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

3 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

4 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

5 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

6 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

7 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

8 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

9 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

10 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

11 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

12 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

13 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

14 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

15 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

Na apresentação do relatório, a presidente da comissão, Yasmin Sooka, destacou os abusos sexuais generalizados, indicando que os beligerantes impedem o acesso de ajuda humanitária aos civis e que as atrocidades são cometidas por todas as partes.

Sooka recordou que o conflito causou dois milhões de deslocados e 1,5 milhões de refugiados, bem como que cinco milhões de sudaneses passam fome.

Numa reação à apresentação, o ministro da Justiça sul-sudanês, Paulino Wanawilla Unango, acusou a comissão de "falar de um país diferente" do seu.

Disse ainda que a comissão não visitou todo o país e acusou-a de ignorar que metade do Sudão do Sul é controlada pelos rebeldes, tendo pedido "um relato justo e equilibrado".

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Hotel inovador na Madeira
    2:23

    Economia

    O grupo Pestana está a construir no Funchal, um novo e único hotel, através de uma técnica inovadora que quase não utiliza cimento. Este vai ser o primeiro hotel do mundo construído com um sistema modular desenvolvido em Portugal. O hotel vai ter 77 quartos e vai ficar construído em apenas seis meses. O maior grupo hoteleiro português admite recorrer a este novo sistema em futuros hotéis.

  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.