sicnot

Perfil

Mundo

ONU quer investigação às atrocidades no Sudão do Sul

© Siegfried Modola / Reuters

A comissão criada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU para vigiar o respeito das liberdades fundamentais no Sudão do Sul pediu esta terça-feira a ampliação do seu mandato para poder investigar as atrocidades sistemáticas cometidas no país.

Criada em março de 2016 para verificar as violações dos direitos humanos no Sudão do Sul após três anos de guerra civil, a comissão não recebeu um mandato específico nem os recursos para uma investigação aprofundada.

Dado o registo de atrocidades em massa e a constatação de que a situação continua a degradar-se, os três membros da comissão decidiram pedir o alargamento do mandato.

"A comissão recomenda o lançamento imediato de uma investigação internacional independente, sob os auspícios das Nações Unidas, sobre os crimes mais graves, incluindo os abusos sexuais, cometidos no Sudão do Sul desde dezembro de 2013", refere o relatório que a comissão apresentou esta terça-feira ao Conselho de Direitos Humanos.

O texto explicita que a comissão deve recolher e preservar provas de violações dos direitos humanos e de abusos da lei humanitária internacional, para as poder apresentar em qualquer instância judicial.

A comissão pede ainda a criação de um tribunal com juízes locais e internacionais para julgar e acabar com a impunidade dos culpados.

1 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

2 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

3 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

4 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

5 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

6 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

7 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

8 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

9 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

10 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

11 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

12 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

13 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

14 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

15 / 15

© Siegfried Modola / Reuters

Na apresentação do relatório, a presidente da comissão, Yasmin Sooka, destacou os abusos sexuais generalizados, indicando que os beligerantes impedem o acesso de ajuda humanitária aos civis e que as atrocidades são cometidas por todas as partes.

Sooka recordou que o conflito causou dois milhões de deslocados e 1,5 milhões de refugiados, bem como que cinco milhões de sudaneses passam fome.

Numa reação à apresentação, o ministro da Justiça sul-sudanês, Paulino Wanawilla Unango, acusou a comissão de "falar de um país diferente" do seu.

Disse ainda que a comissão não visitou todo o país e acusou-a de ignorar que metade do Sudão do Sul é controlada pelos rebeldes, tendo pedido "um relato justo e equilibrado".

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.