sicnot

Perfil

Mundo

Polícia vira "herói" em Hong Kong

Polícia de Hong Kong

Um polícia de Hong Kong, de 20 anos, foi catapultado para a fama depois que conversar com um paquistanês que se tentava suicidar em urdu fluente.

O homem tinha subido a um guindaste de 20 metros de altura e a polícia foi chamada para a cena.

O polícia, Ifzal Zaffar, de descendência paquistanesa, também subiu e dirigiu-se a ele na sua língua comum, urdu, de origem indo-europeia. Por fim, o homem concordou descer e foi levado para o hospital.

O agente Zaffer, que também fala fluentemente cantonês, disse que estava simplesmente a seguir o seu treino.

"Eu usei as técnicas que aprendemos na academia. Acho que se sentiu mais seguro sabendo que eu poderia falar com ele na sua própria língua", disse à Apple Daily.

O jovem juntou-se à polícia há pouco menos de um ano e é o único oficial de origem paquistanesa no distrito. O comportamento do agente Zaffer durante a delicada situação rendeu-lhe elogios dos superiores e um clube de fãs nas redes sociais.

"Ele é muito bonito e tem ainda um coração de ouro", disse Nuna Priya, utilizadora do Facebook.

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".