sicnot

Perfil

Mundo

Inquérito a François Fillon foi alargado a ofertas de roupa de luxo

O inquérito que visa o candidato presidencial francês François Fillon, sobre possíveis empregos fictícios concedidos a familiares, foi alargado às condições em que roupa de luxo lhe foi oferecida, disse fonte judiciária à agência AFP.

Segundo a fonte, em causa estão suspeitas de tráfico de influências. No domingo, o semanário francês Le Journal du Dimanche noticiou que um "amigo generoso" ofereceu dois fatos ao ex-primeiro-ministro no valor de 13 mil euros.

De acordo com o jornal, Fillon gastou na casa de moda parisiense Arnys 48.500 euros, entre 2012 e 2017, dos quais 35.500 euros foram pagos por ele, desconhecendo-se quem desembolsou o resto.

François Fillon, que tem alegado a sua inocência e se diz vítima de uma conspiração, afirmou, na segunda-feira, que os presentes não têm "nada que ver" com a política.

Os investigadores judiciais vão tentar determinar quem é o misterioso "mecenas" e analisar as suas ligações com o antigo primeiro-ministro.Na terça-feira, o candidato presidencial conservador, que surge em terceiro lugar nas sondagens, foi acusado, entre outros crimes, de desvio de fundos públicos, no âmbito do dossiê sobre os alegados empregos fictícios, como assistentes parlamentares, da mulher e de dois filhos.

A primeira volta das eleições presidenciais em França realiza-se em 23 de abril.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.