sicnot

Perfil

Mundo

Milhares de taxistas protestam em Espanha contra veículos de aluguer com condutor

Daniel Ochoa de Olza

Vários milhares de taxistas protestaram esta quinta-feira em Madrid e Barcelona, as duas maiores cidades espanholas, contra as práticas "ilegais" e a falta de ação dos responsáveis autárquicos em relação aos veículos de aluguer com condutor.

"São empresas que não pagam impostos nem colaboram em nada com o país. O que fazem é criar escravos, condutores que dormem nos carros para ganhar 900 euros por mês", afirmou na capital espanhola o presidente da Associação dos Grémios de Táxi, Miguel Ángel Leal, citado pela agência Efe.

As associações de taxistas reclamam que a câmara municipal de Madrid cesse imediatamente as negociações com as empresas de veículos de aluguer com condutor."Não estamos contra essas empresas, mas há cada vez mais veículos que não cumprem as normas em vigor.

Queremos concorrer, mas só no caso de todos cumprirem a lei", reclamou Miguel Ángel Leal.Em Barcelona, os taxistas também protestaram contra a liberalização progressiva do setor, que nesta cidade emprega 10.500 pessoas.

Estes profissionais queixam-se do incremento das licenças para os veículos de aluguer com condutor e pedem aos responsáveis pela autarquia para travarem as autorizações de atividade dessas empresas.

Entretanto, também hoje em Madrid, Carlos Lloret, diretor de uma das empresas de aluguer com condutor, a Uber, manifestou a intenção de "convencer os taxistas" de que devem ver a sua companhia "como uma oportunidade".

Para este dirigente, também citado pela Efe, a tecnologia "não implica que o setor atual desapareça", mesmo que seja "compreensível" que "possa haver receio" perante a necessidade de ganhar a vida "num mundo mais digital".

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.