sicnot

Perfil

Mundo

Presidente turco avisa primeiro-ministro holandês que perdeu a amizade da Turquia

© POOL New / Reuters

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, avisou o primeiro-ministro holandês, vencedor das eleições legislativas esta quarta-feira, que perdeu a Turquia como amiga, apesar de ter derrotado a extrema-direita.

"Rutte, podes ter saído como o partido mais votado na eleição, mas tens de saber que perdeste a Turquia como amiga", afirmou Erdogan, num discurso transmitido pela televisão, numa altura em que Ancara e Haia atravessam uma crise diplomática devido ao impedimento da realização de comícios por ministros turcos.

O ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Mevlut Cavusoglu, já tinha afirmada, horas antes, que "não há diferença" entre os liberais à frente do Governo holandês e o político "fascista" anti-imigração Geert Wilders.

O chefe da diplomacia turca também avisou que "guerras religiosas" vão começar na Europa devido ao crescimento da extrema-direita. A Turquia e a Europa têm estado envolvidas numa crise diplomática após a Holanda e a Alemanha terem impedido ministros turcos de fazerem comícios junto das comunidades turcas nos seus países a favor do 'sim' no referendo do próximo mês que visa ampliar os poderes do Presidente turco.

As eleições holandesas foram vencidas pelo Partido Popular para a Liberdade e a Democracia (VVD, direita), do primeiro-ministro, Mark Rutte, com 33 deputados, seguido da extrema-direita populista do Partido da Liberdade (PVV) de Geert Wilders, com 20.

Em terceiro lugar surgem os democratas-cristão do CDA e os liberais pró-europeus do D66, cada um com 19 deputados.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão