sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 40 refugiados somalis mortos num barco ao largo do Iémen

© ABDULJABBAR ZEYAD / Reuters

O balanço do ataque a uma embarcação com refugiados somalis no Mar Vermelho, ao largo do Iémen, foi atualizado para 42 mortos, indicou hoje a Organização Internacional para as Migrações (OIM) em Genebra.

"Foram recuperados 42 corpos", disse Joel Millman, porta-voz da OIM, numa mensagem enviada à agência France Presse.


Millman tinha falado antes em pelo menos 31 mortos e 80 sobreviventes, que foram transportados para hospitais em Hodeida, cidade portuária iemenita controlada pelos rebeldes xiitas Huthi.


Responsáveis da cidade de Hodeida, por seu turno, referiram pelo menos 33 mortos, incluindo mulheres e crianças, e 35 feridos.


De acordo com os responsáveis da cidade iemenita, os refugiados somalis teriam sido mortos a tiro.


Num contacto com a imprensa hoje de manhã em Genebra, Millman disse não poder confirmar informações de que o ataque tinha sido realizado por um helicóptero Apache.


A embarcação com cerca de 140 refugiados somalis, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, foi atingida durante a noite de quinta-feira para hoje por disparos de armas ligeiras, mas conseguiu acostar em Hodeida.


A responsabilidade pelo ataque foi atribuída pelos rebeldes Huthi à coligação árabe, liderada pela Arábia Saudita e que apoia o governo iemenita na luta contra os rebeldes, acusação que esta negou de imediato.

  • Marcelo não comenta proposta sobre nomeação do governador do BdP
    0:14

    Economia

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar a proposta do grupo de trabalho para a reforma da supervisão financeira, que recomenda que o governador do Banco de Portugal seja nomeado pelo Presidente da República. Marcelo não quis comentar o assunto esta quarta-feira durante a tomada de posse do Reitor da Universidade de Lisboa.

  • Habitantes da favela da Rocinha temem novo episódio violento
    2:54

    Mundo

    Localizada no Rio de Janeiro, a Rocinha, maior favela do Brasil, foi palco de um tiroteio entre traficantes, no último fim de semana. Agora, pelo terceiro dia consecutivo, a polícia do Rio de Janeiro está a fazer um cerco em algumas favelas cariocas à procura de traficantes. A comunidade está assustada e receia que episódios violentos como este se repitam.