sicnot

Perfil

Mundo

Trump acusa China de "fazer pouco" para conter Coreia do Norte 

© REUTERS FILE PHOTO / Reuters

O Presidente dos EUA, Donald Trump, acusou hoje a China de ter "feito pouco" para conter as ambições nucleares da Coreia do Norte, algumas horas após o seu secretário de Estado ter referido que a opção militar não está excluída.

"A Coreia do Norte comporta-se muito mal. Há anos que eles se atiram aos Estados Unidos. A China pouco fez para ajudar!", indicou Trump num tweet.

Alguns dias após os disparos de mísseis balísticos definidos por Pyongyang como um exercício que visava bases norte-americanas no Japão, Rex Tillerson, em périplo pela Ásia, afirmou que a designada política de "paciência estratégica" estava terminada.

"Exploramos uma nova série de medidas diplomáticas, securitárias e económicas. Todas as opções estão em cima da mesa", declarou.

Tillerson é esperado sábado na China, principal aliado diplomático e comercial de Pyongyang.

À semelhança de Washington, Pequim também tem demonstrado inquietação face ao programa nuclear do seu vizinho, mas considera que os Estados Unidos também contribuíram para a escalada das tensões.

A situação regional complicou-se após a instalação na Coreia do Sul do sistema antimíssil norte-americano Thaad.

Seul, à semelhança de Washington, assegura que tem objetivos meramente defensivos, mas Pequim considera que o Thaad e o seu potente radar têm capacidade para reduzir a eficácia dos seus sistemas de mísseis.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.