sicnot

Perfil

Mundo

UE volta a advertir Turquia de que com pena de morte não haverá adesão 

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, reafirmou hoje que o restabelecimento da pena de morte na Turquia, que Ancara admite, impede uma adesão do país à União Europeia (UE).

"Se a pena de morte for reintroduzida na Turquia, isso levará ao fim das negociações (...) É uma linha vermelha", disse Juncker à edição de domingo do tabloide alemão Bild.


O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse no sábado esperar que o parlamento aprove a reinstauração da pena de morte após o referendo constitucional de 16 de abril, que reforça os poderes presidenciais.


Jean-Claude Juncker recusou no entanto suspender desde já as negociações com a Turquia, que se arrastam há anos.


"É uma falsa questão. Não faz sentido querer acalmar as coisas suspendendo negociações que de qualquer maneira não se estão a realizar", disse.


Se a adesão da Turquia fracassar, isso dever-se-á não aos europeus, mas "à falta de vontade dos turcos de aplicar os padrões europeus"", disse.


O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Sigmar Gabriel, afirmou numa entrevista à Der Spiegel também publicada este fim de semana que "a adesão da Turquia à UE está mais distante que nunca" e que Bruxelas devia enveredar por um processo que conduzisse a uma parceria reforçada, comparável ao futuro estatuto do Reino Unido após a saída da UE.

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28