sicnot

Perfil

Mundo

Itália convoca G7 da cultura em Florença para preservar arte do terrorismo

Soldados sírios nas ruínas do Templo de Bel na cidade histórica de Palmira, destruída pelo Daesh

© REUTERS FILE PHOTO / Reuters

Itália, que ocupa a presidência rotativa do G7, anunciou hoje que este grupo se vai reunir pela primeira vez para falar de cultura, em especial da necessidade de preservar a arte de atos de terrorismo.

A reunião dos ministros da Cultura do grupo dos sete países mais ricos (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido) realiza-se a 30 e 31 de março, no Palácio Pitti, em Florença, por ocasião da exposição de uma cópia do Arco de Triunfo do conjunto arqueológico sírio de Palmira, destruído pelo Daesh.


Esta será a primeira reunião do G7 sobre a cultura e dará destaque à "proteção do património cultural, ao tráfico ilegal de arte e à cultura como instrumento de diálogo entre os povos", indica a nota do Ministério da Cultura italiano.


O ministro de Bens Culturais, Dario Franceschini, assinalou que o objetivo da reunião é alcançar um compromisso para que "a comunidade internacional se esforce para recuperar e preservar os bens e o património da humanidade dos conflitos e do terrorismo que os destrói, como no caso de Palmira".


Classificada de Património Mundial da Humanidade, a cidade antiga de Palmira foi capturada pela primeira vez em maio de 2015 pelos jihadistas, que destruíram os seus mais belos monumentos.

Lusa

  • Espanha e Portugal a um ponto dos oitavos

    Mundial 2018 / Irão

    A Espanha colocou-se esta quarta-feira a um ponto dos oitavos de final do Mundial 2018 e deixou Portugal em situação idêntica, ao vencer o Irão por 1-0, em jogo do grupo B, disputado em Kazan.

  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Lançamento de balões no São João do Porto em risco

    País

    Lançar balões nas festas do São João do Porto pode não ser possível este ano, tudo irá depender das condições atmosféricas. A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural admitiu, esta quarta-feira, que está a acompanhar a situação mas que ainda nada está decidido.