sicnot

Perfil

Mundo

Ladrões de papel higiénico na China sofrem um revés tecnológico

© Lucas Jackson / Reuters

Para acabar com os roubos de papel higiénico nas casas de banho públicas, a China tem um aliado tecnológico: dispositivos de reconhecimento facial que racionam a quantidade atribuída a cada utilizador.

Os visitantes do Templo do Céu, em Pequim - um conjunto de templos património da UNESCO - que entram agora na casa de banho pública são recebidos por uma voz eletrónica: "Bem-vindo! Por favor coloque-se na zona de reconhecimento facial".

Só assim, depois de o visitante se deixar "digitalizar" por uma das seis máquinas instaladas, é que lhe são fornecidos 60 centímetros de papel higiénico. Nem mais nem menos.

E não há como enganar a máquina. Se o utilizador se apresentar perante o ecrã menos de 9 minutos depois, a voz robótica diz: "por favor, tente mais tarde".

Estes aparelhos apareceram no passado fim de semana neste emblemático local no sul de Pequim. Há vários anos que a direção tentava pôr cobro a estes roubos constantes e a solução foi apresentada pela empresa de tecnologia Shoulian Zhineng.

"A ideia pareceu um pouco absurda ao início mas depois constatámos que o nível de desperdício era de facto muitto elevado", explicou à AFP um dos responsáveis pela máquina que custa cerca de 800 euros.

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.