sicnot

Perfil

Mundo

Ladrões de papel higiénico na China sofrem um revés tecnológico

© Lucas Jackson / Reuters

Para acabar com os roubos de papel higiénico nas casas de banho públicas, a China tem um aliado tecnológico: dispositivos de reconhecimento facial que racionam a quantidade atribuída a cada utilizador.

Os visitantes do Templo do Céu, em Pequim - um conjunto de templos património da UNESCO - que entram agora na casa de banho pública são recebidos por uma voz eletrónica: "Bem-vindo! Por favor coloque-se na zona de reconhecimento facial".

Só assim, depois de o visitante se deixar "digitalizar" por uma das seis máquinas instaladas, é que lhe são fornecidos 60 centímetros de papel higiénico. Nem mais nem menos.

E não há como enganar a máquina. Se o utilizador se apresentar perante o ecrã menos de 9 minutos depois, a voz robótica diz: "por favor, tente mais tarde".

Estes aparelhos apareceram no passado fim de semana neste emblemático local no sul de Pequim. Há vários anos que a direção tentava pôr cobro a estes roubos constantes e a solução foi apresentada pela empresa de tecnologia Shoulian Zhineng.

"A ideia pareceu um pouco absurda ao início mas depois constatámos que o nível de desperdício era de facto muitto elevado", explicou à AFP um dos responsáveis pela máquina que custa cerca de 800 euros.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão