sicnot

Perfil

Mundo

Ladrões de papel higiénico na China sofrem um revés tecnológico

© Lucas Jackson / Reuters

Para acabar com os roubos de papel higiénico nas casas de banho públicas, a China tem um aliado tecnológico: dispositivos de reconhecimento facial que racionam a quantidade atribuída a cada utilizador.

Os visitantes do Templo do Céu, em Pequim - um conjunto de templos património da UNESCO - que entram agora na casa de banho pública são recebidos por uma voz eletrónica: "Bem-vindo! Por favor coloque-se na zona de reconhecimento facial".

Só assim, depois de o visitante se deixar "digitalizar" por uma das seis máquinas instaladas, é que lhe são fornecidos 60 centímetros de papel higiénico. Nem mais nem menos.

E não há como enganar a máquina. Se o utilizador se apresentar perante o ecrã menos de 9 minutos depois, a voz robótica diz: "por favor, tente mais tarde".

Estes aparelhos apareceram no passado fim de semana neste emblemático local no sul de Pequim. Há vários anos que a direção tentava pôr cobro a estes roubos constantes e a solução foi apresentada pela empresa de tecnologia Shoulian Zhineng.

"A ideia pareceu um pouco absurda ao início mas depois constatámos que o nível de desperdício era de facto muitto elevado", explicou à AFP um dos responsáveis pela máquina que custa cerca de 800 euros.

  • Tragédia de Pedrógão Grande, seis meses depois

    País

    O incêndio que deflagrou há seis meses no concelho de Pedrógão Grande e que alastrou a concelhos vizinhos fez 66 mortos e 253 feridos, sete dos quais graves, destruiu meio milhar de casas e quase 50 empresas. Quarenta e sete das vítimas mortais seguiam em viaturas, no dia 17 de junho, e ficaram cercadas pelas chamas na EN (estrada nacional) 236-1, entre Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos ou em acessos a esta via.

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC